Pular para o conteúdo principal

Nos dias de hoje, a loucura é a nossa pele: uma breve reflexão sobre o corpo que nos escapa!


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

A loucura está para o sujeito nos dias de hoje, assim como a pele está para o corpo, ou seja, um sem o outro é a não “normalidade”. Ora, o dito aqui nos leva a concluir que, já não podemos falar da loucura, quando a “normalidade” é constituída desta. Então a pergunta é: o que é esta tal “normalidade” de agora, naquilo em que a loucura se torna a pele que a reveste?

Um certo dia, deparei-me com uma jovem que travava uma luta renhida contra o desejo de arrancar o próprio “tampo” da pele e comê-lo. Ora, o corpo nesta nossa “normalidade” é a primeira coisa que nos escapa, e, a nossa luta não é outra, senão aquela para trazê-lo de volta!

Eu me lembro de um outro episódio no qual, um grupo de crianças que brincava no recreio de “pegador” em que, uma delas ao se esconder debaixo da mesa, se “apagou”, como se diria no linguajar de hoje, ou seja, esqueceu de si mesmo, e embora já tendo terminado a brincadeira e, pasmem, o recreio, ela continuava lá. Seu retorno, porém, só se deu por conta da intervenção da professora!

As mães também estão esquecendo com frequência assustadora seus bebês dentro do próprio carro, e, quando se dão conta do ocorrido, já é tarde demais -  o bebê está morto!

O que é um bebê a princípio, senão, próprio corpo da mãe?

Mas voltando falar do “corpo que nos escapa”. Quanto destes corpos estão sendo “buscado” naqueles outros que foram dilacerados nas avalanches de acidentes de trânsitos ou naqueles que se encontram amontoados nos necrotérios vitimados pela nossa violência carniceira?

A violência, portanto, pode estar na busca da realidade corpórea. É aquilo que se diz comumente “os caçadores de adrenalina”. Ora, quando as coisas são da ordem do “corpo que nos escapa” – a normalidade pode ser a sua ausência, e consequentemente na sua louca procura!

Pode ser uma mera coincidência, mas por que será que fazemos das tatuagens, algumas tão devoradoras a ponto de abocanhar o corpo, a nossa própria pele?  

Então, por fim, nada mais atual que o velho ditado: “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”!

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...