Pular para o conteúdo principal

A morte. Uma metáfora?


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

Uma coisa  são as  inúmeras conquistas no campo da tecnologia e da ciência neste novo século. È inegável tanta  conquista! Entre estas  conquistas – a da longevidade - nunca se viveu tanto, inclusive com uma razoável qualidade de   vida, pelo menos é o que afirmam as autoridades. A vida enfim  está às “mil maravilhas”? Não é o que nos responde os dados de um relatório  divulgado ontem, quinta-feira,  pela Organização Mundial de Saúde(OMS)  sobre o número de suicídios em todo o mundo. Segundo este  relatório, a cada 40 segundos, uma pessoa comete o suicídio no mundo.  Ainda de acordo com este relatório, estima-se que  800 mil pessoas se suicidam a cada ano. Por que diabos nos matamos?

Ao longo deste desse texto vamos nos afogar numa profunda reflexão a respeito da existência humana. Para isso vou recorrer a  outro texto já publicado por mim. E que hoje me servirá de  uma espécie de “barco inflável” com o qual tentaremos atravessar o oceano indomável da vida!

“O homem é o lugar de travessias. A do inferno então, às vezes não tem ponte alguma – só atoleiro. É a abrupta coisa? Ou apenas o homem naquilo que em si se oculta”?

Ora,  não há como “ir ao inferno” sem concebe-lo como um lugar possivel dentro de nós. O dito aqui também se refere ao céu. Isto é, ninguém irá ao céu se este não for um lugar, já habitado por nós. A esta minha fala quero acrescentar o seguinte: nós somos tudo aquilo no que podemos nos transformar diariamente!

A propósito,  nesta semana que se finda, eu conversava com uma jovem que me relatara entre coisas, as suas várias tentativas de cometer o suicidio.  Da sua última tentativa ainda podia ser visto uma marca no pescoço. O que ela via para querer fazer isso? Uma imagem (sempre feminina! pelo menos em todos os casos que eu pude acompanhar),  lhe “convencendo” de que o melhor para sua “tragica existência “ – seria a morte! Imagem de quem? – dela própria, isto é, como resultado dos  desdobramentos dos seus conflitos. Isso, segundo  o meu ponto de vista (não é dele que estamos a falar?).· Quando eu chamei atenção para esta jovem de que esta imagem poderia ser ela mesma, eis que eu percebi o quanto esta em paz ficou. Ter a consciencia de que está sendo atormentado por si mesmo, nos parece ser  mais suportável. Pelo menos no que diz respeito a esta jovem (em outros também), se justifica  esta tese –, ontem ela me disse que estava se sentido bem melhor! Ufa! Graças a Deus?

Os jovens nunca foram tão atormentados quanto nos dias de hoje. Dai a alta incidencia de suicidios entre os jovens? Parece que sim! E digo mais, numa vida onde “o gozo” é negado, tenho certeza que Freud concordaria comigo, a morte pode nos parecer mais “excitante”. Vi isto nos olhos e na fala desta jovem! Que travessia esta, não?

 

“Dante Alighieri fez por nós esta travessia. Nunca havíamos ousado tanto – só invejado os deuses! Mas é claro que tudo isso tem um preço: aquele em que o homem se esfola para dá sopro aos outros. Isso quando não fica por lá estrepado – Dante ainda não voltou”?


A vida humana seria pior, se esta  não passasse de uma mera metáfora. Felizmente a morte, pelo menos a que buscamos com as próprias mãos – é metafórica também – tentar compreende-la é  tão facinante, quanto se pintar uma obra de arte! Pintar eu não pinto nada, mas me sindo às vezes pescado pela pintura que se escancara. A morte pode ser assim. Ou seja, da morte não entendemos nada (ainda bem!), mas há algo nela que sempre nos atrai – talvez aquilo que há em nós que, já na morte  nos acena?

 

Tô indo?

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Medicina cabocla

Gilvaldo Quinzeiro





Coceira nenhuma é igual a do “gugumim”, pra esta não tem água morna, quente ou fria: só o gargarejo de “malva do reino”!


Noite adentro, quando se escutava o pilãozinho sendo socado, era menino precisando passar por alguma esfregação, seja com azeite de mamona ensopado num algodão, seja com um dente de alho esquentado nas chamas de uma lamparina!


Nos casos mais graves de dor de barriga, se recorria ao sarro de cachimbo passado em cruz. E ai do menino metido à besta que se recusasse tal procedimento da medicina cabocla  – o cinturão estava já bem às vistas!...

O máximo que se poderia dizer era: mamãe!...