Pular para o conteúdo principal

A linha e o cerol



Por Gilvaldo Quinzeiro

 

 Educar é escorregar por entre as mãos “a linha com o cerol”. Ou seja, é correr riscos imediatos e tardios, tais como aqueles sofridos por uma pipa já em pleno ar.

Educar é também  se encantar pela pipa! Porém, isso não nos tira a responsabilidade que o ato de empinar pipa, sobretudo com a linha impregnada de cerol, poderá trazer outros efeitos que não o lúdico.

A pedagogia precisa se impregnar do cheiro dos quintais. Aliás, eu sou defensor da Pedagogia de Fundo de Quintal – aquela que parte da premissa que as maiores descobertas cientificas, não se deram nos laboratórios, mas no fundo dos quintais!

Em outras palavras, as escolas precisam “pescar” seus gênios dando-lhes iscas para a sua criatividade. Um menino que confecciona um artefato e com ele explode um banheiro é, sem dúvida nenhuma um gênio. Porém, ele pode estar se sentindo acuado, por isso o seu ato destrutivo!

Nesta semana, eu entrei numa sala dos alunos do 3º ano – o TERCEIRÃO como eles dizem! E os fiz entender que aquele momento poderia ser o último deles juntos. Em seguida, os convidei para uma roda, de modo que cada estivesse abraçado uns com os outros. E assim, pedi que  dissesse algo que tivesse vontade de dizer ao outro. Uns pediram perdão. Outros choraram. No final eu pedi que cada um abraçasse o outro!

Pois bem, gestos como estes estão ficando cada vez mais raros. Como educar se dentro do ambiente escolar, já não é mais possível à emoção do encontro, do reencontro e das despedidas?

Veja os casos dos trotes cada vez mais violentos praticados por alunos veteranos em calouros nas universidades.  Só nesta semana foram noticiados dois casos. No primeiro, uma jovem sofreu queimaduras nas pernas por uma substância química que lhe foi jogada por um aluno veterano. No segundo caso, um jovem foi obrigado a ingerir bebida alcoólica, e ficou desacordado!

Em outras palavras, o trote violento como os que aqui foram citados, é “barbarizar” o outro com a  caverna que nunca saiu de nós, a despeito da desculpa de fazermos parte da “civilização”.

Por fim, voltando a falar da “linha e o cerol”. Vão-se os dedos, finca-se a dor.  Não a dor que pedagogicamente nos ensina, mas aquela que nos tornam “monstros” ao provocá-la  no outro!

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

De grão em grão se faz um espelho: você!

Por Gilvaldo Quinzeiro

O espelho é assim: até que você enfim se reconheça, tudo é você imerso em tudo.
Porém, nem se apresse demais, e muito menos seja por demais tardio no ato de reconhecer-se, pois, de tudo isso, você não passa apenas de um fragmento!
Acalme-se!
Seja enfim, e inteiro nesse fragmento, o todo lhe agradecerá imensamente!
Há um problema, contudo, e que espero que seja apenas um modo de dizer: é saber realmente quando este espelho nos apresenta trincado!
Uma coisa é certa neste atual momento: precisamos fincar bem os olhos em tudo! Tudo é: nós mesmos até de fato sabermos quem somos!
Por fim, dialogue e aprenda mais com qualquer grão de areia: isso lhe fará mergulhar profundamente no mar da sua existência!