Pular para o conteúdo principal

Educação: o que ‘diabo se ensina para que do ‘inferno’ nos mantenhamos afastados?



Por Gilvaldo Quinzeiro



A barbárie é o travesseiro da civilização. Isto é, num simples roncar, foi-se  o sonho  civilizatório! Aliás, é bom que se diga que há muito tempo já não mais sonhamos: tudo é pesadelo. O problema se agrava por um detalhe, a saber, no nosso acordar é que o bicho pega!

Este anunciado é uma breve introdução  a respeito do texto a seguir sobre os  desafios da escola no atual contexto. O que ‘diabo’ se ensina para que do ‘inferno’ nos mantenhamos afastados?

Pois bem,  na divisa entre o Distrito Federal e Goiás, na cidade de Valparaiso,  alunos  revoltados destruíram a escola onde estudavam.  Parece pouco, pois, se trata de apenas de uma escola. Mas, na verdade, este fato revela algo assustador: já não estamos apenas  entre os ‘anjos’ – rezem quem souber!

Qual o motivo? “A rigidez imposta pela nova diretora da escola”, alegam os alunos.

Ora, se alunos hoje, no caso aqui em questão do 6º ao  9º ano, do ensino fundamental, da Escola Municipal Caic. Tancredo de Almeida Neves resolveram usar toda a sua fúria contra a própria escola, é porque no mínimo a ‘caverna’ começa a nos fazer falta – para nos proteger dos nossos mais animalescos instintos!

O homem, diga-se de passagem, é apenas uma ‘matéria-prima’ , ou seja, conforme  as condições podemos nos transformar em qualquer coisa. Parodiando Protágoras, “das coisas que já somos e não sabemos, e das coisas que, conquanto nos deem medo em saber, ainda assim,  as seremos”

Portanto, se a  sala de aula  não é o ‘bicho’, eu tenho provas que sim, constitui-se, pois, num dos maiores  achados antropológico. É aqui, onde podemos ouvir  os ecos das cavernas primordiais a chamar o nosso santo nome: Caim! Caim!

Pois é, meu irmão, a escola não é um espaço qualquer. Engana-se quem se deixar se levar quando se trata da escola, mesmo no dizer dos mais conceituados educadores.

A escola real é aquela que nos escapa aos nossos olhos, e não podemos lhe por as mãos.  A escola ‘ideal’ serve mesmo pra quem? Tudo enfim dependerá do esforço coletivo. Todavia, se a sociedade abandonar a escola, como está abandonando, então, não nos restará outra saída, senão a de pedir socorro debaixo dos escombros! Um pedido tarde, diga-se de passagem, pois, quem nos ouvirá? 

Por fim, uma palavra de conforto: o cavalo, o cão, o porco, o boi já foram animas selvagens!...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...