Pular para o conteúdo principal

A repetição. O retorno da coisa outra.


Por Gilvaldo Quinzeiro


O universo tem infinitas ‘portas’. A uma delas podemos estar retornando neste exato momento. Quão bom seria se tivéssemos em nossa sã consciência e inteiros ao atravessarmos a cada uma delas!

Apesar de que possamos dispor de inúmeras ferramentas, somos como aranhas a tecer repetidamente suas teias.

Em outras palavras, estamos diante da questão do ‘retorno e da repetição’. Se para a aranha o seu retorno seria a sua teia, aos homens seria a caverna?

Uma possível guerra nuclear poderá enfim, confirmar este retorno da ‘aranha’ a sua teia, no caso dos homens, a escuridão das cavernas.

O dito aqui nos faz pensar na necessidade recorrente dos homens do retorno ao ‘útero’, ainda que isso implique em bloquear o próprio caminho – se colocar como pedra sobre si mesmo!

É neste contexto que a ‘pulsão de morte’ pode ser interpretada. Ou seja, a morte, em que pese o paradoxo, utiliza-se para o seu propósito, um ‘sopro’ de vida que seja.

É claro que esta questão aqui levantada, exige que a consciência se debruce sobre si mesma.

O Inconsciente é o território a ser explorado, pois, é aqui que reside o ‘pulo’ da aranha.

Por falar em Inconsciente, Freud já nos falava do retorno do recalcado. Sim, de fato, as nossas trancas não são suficientemente resistentes para aquilo que “enterramos” em nós. Um dia, estas coisas sem nome, sem cheiro e sem aparência definida, nos reaparecem, e assim sendo, nos pegam de calças curtas, ou até mesmo, sem mãos para tampar aquilo!

Eis a complexidade da natureza humana.

Como sabemos em psicanálise, aquilo que não nos lembramos, repetimos. Eis a face daquilo que tanto ocultamos em nossa frente!

Se repararmos bem, entre os passos que acreditamos estar dando numa nova estrada, são esforços repetidos.

O sol, ao menos sob a nossa ótica, se repete todos os dias!

O espelho, por mais assustador que seja, e nos despedace, é uma repetição!

Os amores, por mais sofridos, estão a repetir o que deles demos por esquecidos. 
  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...