Pular para o conteúdo principal

A violência: um pensar ainda que torto enquanto se pode!



Gilvaldo Quinzeiro

Se hoje colhemos ‘merda’, é porque não plantamos outra coisa. Simples assim! Mas se engana quem pensar que a saída para tais condições não seja absolutamente complexa.

Estamos à baixo do umbigo. Cabeças enterradas. Bundas pra cima. Por isso cada solução pensada para os nossos problemas provoca mais enjoo do que sensação de alívio.

Mexer com merda pode ser uma tarefa simples. Complexo mesmo é evitar não sair fedendo. Eis a questão!

Ora, o dito acima nos serve de introdução para um ‘adentrar pelas portas do fundo’ da nossa realidade. Isto é, para as nossas pretensões de escrever acerca do nosso tempo poroso, e prenhe de muitas interrogações.

Pois bem, a violência à brasileira é nossa, sim senhor! Ela é a filha “parida e cuspida” do nosso jeito de apenas passar a mão sobre a cabeça dos nossos problemas. Ou seja, a violência é a nossa bosta empurrada para debaixo do tapete.

Sim!  Somos hoje reféns da nossa merda! E não pense que pensar nestas condições seja coisa para quem tem uma cabeça. Não senhor! São nestas condições que a bunda abunda-se!

Veja as declarações e as soluções apontadas pelos nossos líderes: tudo merda com açúcar!

Em outras palavras, é preciso uma intervenção quase que psicanalítica para a questão da violência. Isto é, algo no âmbito do individual, do sujeito ‘cagante’.

Digo, perdemos no ‘simbólico’ – lugar onde poderíamos diferenciar a bosta da vaca, da bosta da cabra, conquanto, ambas comam capim.

Veja, dizer que perdemos no ‘simbólico’ é chamar atenção que no concreto ninguém controla mais seus esfíncteres. É dizer que estamos ganhando o status de ‘bichos’ quaisquer.

Dizer que perdemos no ‘simbólico’ é afirmar que toda a sociedade falhou. Ou seja, a Família, a Escola e o Estado.

O ódio e a intolerância são resultados inerentes desta condição. Para ser mais enfático: perdemos a pele. Ficamos em carne viva!

Portanto, pela ótica dos nossos governantes, tudo pode parecer tão simples. Tão pequeno, quanto um mosquito. Mas é aqui que começa a nossa cagada: subestimar a capacidade de multiplicação de um mosquito, por exemplo!

Quantos exércitos já enviamos às ruas para se combater um mosquito? Quantos exércitos serão preciso para combater a ‘merda’ que é todos?

  
  

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...