Pular para o conteúdo principal

O afrouxamento dos nós, e a outra face do espelho!


Por Gilvaldo Quinzeiro

Muito se tem escrito, falado, ‘gritado’ a respeito dos acontecimentos políticos, econômicos no panorama atual, seja local, seja de ordem mundial. Nunca os filósofos, historiadores e analistas das diferentes áreas foram tão ouvidos como agora!

Cada um olha o mundo, como não poderia ser diferente, a partir do seu ‘bote salva-vidas’ – estamos todos à deriva! –salve-se quem puder!

Quisera que a crise fosse apenas de natureza política ou econômica. A questão é muito mais complexa, e não se resolve com medidas ou pacotes fabricados em gabinetes de caros assessores. Ou seja, não é com uma brilhante campanha de marketing – prática recorrente – que se resolverão os problemas atuais.

A crise é ‘civilizatória’, portanto, coloca em xeque toda a nossa existência. Somos as dores e o parto desse mundo já esgotado físico e mentalmente, porém, faltam-nos ‘parteiros’, homens como Sócrates para dá luz ao ‘novo’ cuja face nem todos terão coragem ou discernimento para contemplá-la.

Não é de hoje que vem falando da ‘seca de homens’!

Por outro lado, se repararmos bem há uma mudança vertiginosa em curso, em especial no mundo dos microrganismos, por exemplo, as bactérias estão ficando cada  vez mais resistentes ao uso dos atuais antibióticos. Isso tem sido divulgado nos eventos e publicações cientificas.

O mosquito aedes aegypti, ele sozinho, tem sido responsável pela mobilização de um verdadeiro exército em seu combate, e nada! Ele continua soberano!

Ora, isso exige ao menos uma pergunta: e nós em quem estamos nos transformando? Quem somos nós no meio das mudanças atuais? Seremos capazes de resistir ao um mero ‘resfriado’?

Devemos, portanto, ter olhos e ouvidos para a ‘porosidade’ da nossa realidade. Precisamos ter a humildade para reconhecer os nossos erros, e coragem para engenhar um recomeço.

Em outras palavras, o que podemos constatar é que do ponto de vista do processo civilizatórios, que não passa de frágeis amarradios culturais ou conceituais - os ‘nós’ foram todos afrouxados’, nada mais se ata ou se segura em nada!

Tudo está perigosamente puído! O afrouxamento é tanto que os grandes homens da Lei, integrantes da mais alta Corte do nosso Judiciário, estão como se diz no ditado popular, ‘se queimando’ ao expor suas posições que nada mais diz respeito à legislação, e sim, a pressupostos pessoais, e, portanto, sujeitos ao escarnio público.

Os que antes eram os defensores da moralidade, quando do processo de impeachment da Presidente Dilma, hoje são ‘ratos’ afogados no próprio queijo!

Que ‘diabo’ somos? Quem ainda se ver no espelho? Que face é aquela de quem não mais se contempla?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...