Dialogando com as coisas



Gilvaldo Quinzeiro


Julgar o cavalo apenas pela forma como este obedece ao cabresto é ignorar o cavalo por completo.

Isso também se aplica a nós mesmos: ou seja, julgar o homem apenas por aquilo que costumamos  chamar de “consciência”, é desconsiderar o quanto do cavalo tem  em nós!

Em outras palavras, enaltecer o cavaleiro por este  ter adestrado o cavalo é esquecer  o seu   lado mais perigoso e sombrio!

Quem é o cavalo? Quem é o cabresto?  Quem é aquele que pensa que é o cavaleiro?

Nada há em nós que não possa se transformar  também naquilo que  afugentamos. Essa é uma espécie de boa noticia. A má noticia é:  o “dizer xô as galinhas”, é o mesmo que também nos espanta e  nos faz responder “coro-co-có”!

Ora, não foram  nestas condições que Pedro negou Jesus Cristo por três vezes?

Esta é a prova de que dependendo das circunstâncias, podemos ser  ora água, ora  o vinho.




Comentários

Postagens mais visitadas