Pular para o conteúdo principal

A normalidade que nos assusta: da carne humana que se devora aos políticos que se contemplam


Por Gilvaldo Quinzeiro



Então quando os homens ainda eram “homens” já temiam que um dia pudéssemos retornar a condição de “bichos”? Pena termos nos transformados em outra coisa que até dos macacos, nossos primos, nos distanciamos!

Pois bem, neste ano, mais especificamente no mês de maio, nos Estados Unidos, um caso chamou atenção, quando policiais de Miami flagraram um homem comendo o rosto do outro. Isso sem falarmos que em abril, também deste ano, em Garanhuns, Pernambuco, três pessoas foram presas por, entre outras acusações fazerem empada de carne humana. E mais recentemente, no último dia 22, no Rio de Janeiro, um adolescente de 16 anos de idade, arrancou e comeu parte dos olhos da mãe.

È esta “normalidade” que nos assusta – sinal de que da civilização cada vez mais nos afastamos? E o que significa os avanços da ciência que por um lado, eleva os homens a condição de fazerem coisas que antes, só aos deuses eram atribuídas? Um paradoxo, não?

E quanto ao “coração” da atual crise econômica mundial, quantas cabeças serão arrancadas para, assim, voltar aos patamares nos quais, toda a “barbárie” será ocultada bem debaixo dos pés “do mundo civilizado”?

Há exatamente oito dias das eleições municipais, quase nenhum candidato, se apresentou como conhecedor e defensor da cidade, senão dos seus próprios interesses. Ora, isso é outra coisa que está ficando absolutamente normal?

Então se é para “normalizar” a realidade que dos homens só possui o assombro com suas carnes nos dentes - que se glorifiquem os loucos e os indiferentes, pois, estes sim, são dos “homens que perdemos”, os seus parentes mais próximos!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...