Pular para o conteúdo principal

Uma ranhura nos tempos e nos templos. Meu Deus?!


Por Gilvaldo Quinzeiro


Aonde quer que chegamos, se é que chegamos a algum lugar, este coincide com o ponto no qual o ‘elástico esticado’ atinge seu limite, ou seja, o momento brusco de retorno ao seu ponto inicial antes de ser esticado. É o mesmo movimento feito por um pêndulo, só que agora, em seu sentido contrário.

“Tudo bem! Mas, e aí? Aonde você quer chegar com este pensamento”? Calma leitor! Eu estou apenas começando. Todavia, não há nada dito aqui que eu já não tenha rabiscado em outros textos.

“Nem tudo que corre no rio é aquoso”. Esta frase me veio à cabeça quando vi as grandes manifestações de rua pedindo “o fim da corrupção”. De fato, depois de baixadas as águas, concluímos que há outras bandeiras e propósitos  distintos daquelas desfraldadas, e que ameaçam até mesmo a Democracia.

De fato, há  lama vinda do fundo rio, e que agora inunda a superfície!

Pois bem, por um lado, os tempos atuais são muito parecidos com a Idade Média, especialmente no tocante às ideias de cunho fundamentalista, mormente, as de cunho  religioso; por outro, há uma “Renascença às avessas”, ou seja, não inspirada nos valores greco-romanos, portanto que em nada é Moderno. E por isso mesmo o que ora renasce, este é o grande perigo!, não é tão ‘luminoso’ quanto pregam seus arautos.

Veja que situação: estamos diante de um ‘renascimento’ diferente daquele que se contrapunha a escuridão. Então que ‘diabo’ é isso mesmo? Mais uma vez, eu lhe peço calma, leitor! Não se esqueça de que o diabo usa ‘calças curtas’, portanto, logo, logo, exporá sua bunda!

Mas enfim aonde chegamos?

Há uma ‘moral fóbica’ que a todo custo está sendo imposta, e que, para além das barbas dos seus defensores, algo que nos lembra a dos judeus ortodoxos ( você já notou como há uma massa de jovens barbados, como nos velhos tempos?)  -,  revelam as  máscaras ou faces ocultas – todas elas estavam presentes nas recentes manifestações de rua. Lembra? Eu também escrevi sobre isso!

Ora, se os tempos de hoje nos lembram dos medievais, então, é óbvio que ‘Deus é centro’ de tudo? Sim, como falamos da ideia do movimento do elástico ou do pêndulo, estamos de volta à teocracia! Amém? Calma! Ouça, interprete, e só depois se curve! “Devagar com o andor que o santo é de barro”!

Em outras palavras, as mais fervorosas preces, ainda são feitas por homens de carne e osso. Porém, com uma diferença: eu tenho minhas sinceras dúvidas se ainda somos ‘homens’! Ora, se eu estiver certo, espero que não!, então,  precisamos, e com urgência,  repensar o que ainda temos ou não de semelhança a  Deus.

Lembra, caro leitor,  daquela multidão com pedras nas mãos para atirá-las em Madalena? Pois é... Somos tal e qual àquela multidão. Porém, com uma grande diferença: a ausência do Mestre em nossas vidas que, ao contrário, naquele momento a sua presença se fez necessária para evitar que os ‘urubus’ saciassem sua fome!

Nós urubus de nós mesmos. Eis, portanto, aonde chegamos!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...