O feio é não plantar o belo!


Por Gilvaldo Quinzeiro





Umas tantas gerações antes do ‘papel higiênico’ cantavam em roda, um pegando na mão do outro em noite de luar, canções e com os gestos que hoje nos fazem tanta falta!

A despeito de tantas conquistas, entre estas, o ‘papel higiênico’, fazemos hoje tantas coisas absolutamente feias!

As borboletas não sabem que voam e nem que são belas. Somos por enquanto, a única espécie capaz de compreender, fazer e sentir as duas coisas!

Que lancemos sobre tanta coisa feia, um olhar belo! Não que as borboletas precisem do nosso ‘espelho’ para continuar sendo belas, porém, se nós não as tomarmos como sendo nossas as suas ‘asas’, então despencaremos todos no abismo da nossa feiura!

Tenham todos um bom dia para fazer tantas coisas belas: meus cumprimentos, a todos os pais!






Comentários

Postagens mais visitadas