A nossa violência é filha de quem?


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

A violência que se assenhora do Brasil, é neta de todos nós “cidadãos de bem” – tudo não passou de um simples descuido, enquanto pregávamos os olhos em difusos  interesses!

E agora, vovô?

Acaba de chegar ao aeroporto Petrônio Portela, em Teresina, o caixão com o corpo do piauiense Eduardo de Jesus Ferreira, de apenas 10 anos de idade, morto em um tiroteio no conjunto de Favelas do Alemão no Rio de Janeiro. Em vez de ter sido um feliz retorno, como se espera dos que fogem da seca, as flores ressequidas velam as lágrimas de tristezas!

Até quando?

Saber que a violência, que vitimou o pequeno Eduardo, está apenas entrando numa nova fase, é chocante!

Todavia, a violência não se limita aos rincões fluminenses. Até mesmo a nossa pacata zona rural (estou me referindo a Caxias e seus arredores), perdeu o sossego! Pobre Semana Santa de jejuns, mas rica de  “féis” ajoelhados de frente para  seus pancadões!

Domingo de Páscoa, numa biboca, aqui, outra  acolá, meninos fazem farras, os mesmos que faltaram à escola no dia seguinte – tirando gosto com a orelha do outro!

Cordeiros de Deus? – Não, Pedro é simplesmente a minha mão sapecando!

Por fim, nada mais atual do que Chico Buarque, com o seu  “pai afasta de mim este cale-se”! Ou “o que será que será”?

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas