Pular para o conteúdo principal

No Dia do Índio, o meu grito ancestral!



Por Gilvaldo Quinzeiro

 

 

No passado de outras vidas, eu fui as pegadas do meu cavalo. Tempo marcado de pó e orvalho. Tempo de vãs  pelejas   sem arco e sem punhal,  para galgar a condição das esporas.

 Hoje, sonho sem a cangalha – o preço a pagar pela minha condição de cavalo! Porém, os calos mais doloridos ainda estão por vir!...

Amanhã, se amanhã houver, serei índio agonizando as margens dos rios cheios de pedras e entulhos! Meus sonhos aqui serão em ser peixe...

Ah! meu rio Itapecuru! Quantos Canelas Finas viajaram por ti em tosca canoa feito de tambori!

Ah! o Roncador – hoje só o ronco ensurdecedor de motos em dias histéricos de domingo!

Por aqui florescem muitas igrejas, como antes as imbiras, mas não nasceu ainda nenhum santo para evitar as mortes das nossas nascentes e riachos! 

Quanta hipocrisia! Quantos de joelhos para agradecer o pão nosso de cada dia, rico em  agrotóxico e  pobres  de mãos  solidárias!

As imbiras cantam. Ouviram o silencio do riacho do Sanharó? Ó pai Tupã, atendei a  pajelança dos remanescentes da última tribo!

Que a formiga tucandeira (no meu dialeto se chama “tatanguira”)  cure-nos da pressa e da solidão das cidades de tantos homens cupins!

Amém!

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...