Pular para o conteúdo principal

O mundo sem maquiagem. O drama dos milhões de refugiados


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

Sem água, sem pote e sem rudia. O mundo enfrenta a pior de todas as ‘secas’ – o ódio. E por isso mesmo se torna perigosamente pequeno! Milhões de pessoas entre crianças, jovens e adultos estão em marcha, porém, sem ter para onde ir.

 Segundo relatório divulgado neste mês de junho pelo Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), o ano passado, 60 milhões de pessoas foram obrigadas a fugir de seus países, seja pelas guerras, perseguições religiosas, seja por perseguição política. Para muitos só há dois caminhos, ambos, traiçoeiros diga-se de passagem, a saber, os desertos escaldantes ou a fúria dos mares revoltos.

Uma fuga em massa diante de um mundo cada vez menos amistoso. País como a Hungria, por exemplo, está disposta a erguer um muro de quatro metros de altura, a fim de impedir a passagem para seu território de imigrantes. Muito desses imigrantes vindos da Síria, palco de uma sangrenta guerra civil

A xenofobia e a falta de interesses dos líderes mundiais em resolverem  o problema, só agrava a situação dos milhões de refugiados. Isso sem falar em episódios locais, como o que ocorre no interior  de uma igreja na Carolina do Sul, nos Estados Unidos, no dia 19 de junho,   onde 9 pessoas de origem negra foram brutalmente assassinadas por um jovem branco.

O Brasil, antes considerado um país onde reinava a “democracia racial’, também dá sinais de que a convivência entre diferentes povos e culturas, ficará cada vez mais difícil. Vários são os episódios de manifestação da intolerância racial.

A entrada dos imigrantes haitianos, que já chega em torno de  7 mil, bem como de sírios e outros, colocarão à prova se o Brasil é mesmo um país acolhedor.

As primeiras décadas do século XXI, portanto, têm sido marcadas pelo reaparecimento de “velhas cicatrizes” na face humana; cicatrizes estas ocultas momentaneamente por pesadas maquiagens. A questão agora é saber se a humanidade terá aprendido ou não com tanto sangue derramado ao longo da história?

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...