Nós em nossa ‘carne viva’: Baroom! Baruuum!


Por Gilvaldo Quinzeiro


Os homens, seja quem forem os homens, vestem-se de dois ‘tecidos’, a saber, das imagens e das palavras. Por isso, a sensação de nudez é corrente. E o pior das sensações é sentir-se em ‘carne viva’ – esta tem sido a nossa total vestimenta!

Sangramos!

Os tempos são todos ‘porosos’. Daí a sensação instantânea de vazamentos. Talvez por isso as palavras como paredão, pancadão, safadão, e tudo mais que soa como ‘ão’ ou outras tais como apitaço, panelaço, beijaço, peitaço – são ‘rolhas’ para os nossos vazios!

Se por um lado recorremos ao aumentativo das palavras, por outro, isso significa que estamos cada vez mais apequenados. Tal é o tamanho das coisas, que as palavras tentam abarcar.

E quanto às imagens? Ora, em tempos de redes sociais, mas onde todos padecem sentindo-se em ‘carne viva’ que imagens se agigantam sobre nós senão aquelas que, por escassez de palavras ganham o status de ‘vírus’, isto é, aquelas que ‘viralizam’ ou ‘bombam’.

Baroom! Baruuum! 

Ainda vivo, primo?


Bom café da manhã!

Comentários

Postagens mais visitadas