O pau da porteira e a nossa ‘carne podre’. Que porra é essa?


Por Gilvaldo Quinzeiro


A ‘carne podre’. Quisera que fosse uma mera metáfora, mas não é. De fato estamos atolados até os olhos na podridão dos nossos ricos costumes – o de sermos urubus de nós mesmos!

Que porra de sociedade é esta que assim como nos tempos escravocratas, hoje também, para se permanecer  de pé, finca seus passos na carne e nos ossos duros dos Outros!

Não é só o avanço da direita, ‘mosca’ da nossa carne podre, que devemos temer, mas, a podridão de todos os pensamentos, incluindo os  daqueles que  expandem seus impérios  às custas da ‘fé encaretada’ de muitos!

Como  explicar os fundamentos das cercas de arames farpados que se erguem nos campos, estes, cada vez mais esvaziados de gente, e os caros ‘churrascos de papelão’ que comemos de boca cheia?

Já não ‘cagamos’ todos os dias a mesma bosta – isso é bom ou ruim?

Afinal em que tipo de ‘gado’ nos transformamos e que ‘currais’ hão de ser ainda erguidos?





Comentários

Postagens mais visitadas