Pular para o conteúdo principal

Nos céus da Mesopotâmia, e a terra nossa de cada dia.



Por Gilvaldo Quinzeiro

 

 

Em algum lugar onde no passado foi a Mesopotâmia (berço da civilização) hoje Iraque, a civilização se coloca na mesma encruzilhada de sempre: “em nome  de quem se  devorará outro para o bem de todos”?

É na antiga Suméria, onde se deu a criação da primeira escrita, a cuneiforme, que, os jihadistas do Estado Islâmico (EI) e as forças ocidentais lideradas pelos Estados Unidos travam a última “cruzada”. É aqui onde uma “nova escrita”, um novo traçado do mundo está sendo feito!

O “Crescente fértil” – lugar de estéreis lutas! Mas é aqui onde homem pela primeira vez se plantou olhando para os céus! Os céus da Mesopotâmia que lindo! É possível que os reis  magos – aqueles que foram visitar o menino Jesus tenham saído de algum lugar da Mesopotâmia seguindo a “estrela guia” – rumo a Belém.

Não é à toa que Alexandre, O Grande por lá se apaixonou!

 Agora mesmo acabo de ler  uma reportagem  do Jornal Folha de São Paulo assinada por Patrícia Campos Mello e Fábio Braga (enviados especiais) dando conta de que na “terra entre rios”, mais especificamente nos arreadores de Kirkuk, rica em petróleo , os soldado curdos travam uma batalha desigual (com armas obsoletas) contra o poderoso Estado Islâmico (EI).  

Os céus iraquianos possuem lugares para quantos deuses? Eis a questão!

Enquanto isso, aqui na Terra, mais precisamente no Brasil, eu  vejo um vídeo no qual policiais de Goiás  travam em solo uma batalha épica  para exorcizar um sujeito em plena rua. Uma verdadeira cruzada!  O vídeo me chamou atenção pela  ocorrência inusitada. Ou seja, a polícia tendo que usar uma arma nada convencional no seu trabalho de rotina,  a saber, o exorcismo. Fiquei torcendo pelo policial!  E no final parece que o desfecho foi desfavorável para o capeta! Ainda bem!!!

Mas lá em solo iraquiano e região quem finalmente “cantará de galo”?

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...