Pular para o conteúdo principal

Mole como feijão cozido



Por Gilvaldo Quinzeiro

 

 

Eu adoro Dali (e de acolá) porque ele me faz pensar no Salvador no mesmo instante em que eu me desmantelo.

Salvador Dali andou mexendo com estas coisas que a mão de Freud pintou: “o desmantelamento do sujeito”!

Nesta obra acima, ele (Salvador Dali)  se rasga “mole como feijão cozido”  na sua premonição da guerra civil espanhola.

Tal obra me faz pensar na loucura e na morte: duas acompanhantes do homem que o acaricia  sem serem convidadas nem para sentar ou  tomar café – elas são mesmo invasivas!

A loucura nos acompanha mesmo na arte que nos liberta. Por isso os artistas se pensam livres (mas não da loucura), e  moram no mundo. Já a morte vive sentada sobre nós com sua bunda encardida.

Dito com outras palavras, a loucura e a morte não são silêncios absolutos, pelo contrário, são falas por nós esquecidas.

Estas “falas esquecidas” nos obrigam a ressuscitar  Freud (pra mim ele nunca morreu e nem morrerá), ainda que na condição de grãos de feijão duro (deixa os moles com Salvador) para “entalar” aqueles dali ou de acolá que acreditam cegamente em serem para sempre lembrados!

O quê?

 

 

 

v

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...