Pular para o conteúdo principal

UMA PAUTA PARA O MUNDO


 Por Gilvaldo Quinzeiro


Letras, pinturas, sons, reflexões, música, poesia, paisagens, vídeo, rostos, intercâmbio, encontros e partilhas é assim que podemos descrever por antecipação do que será constituído “O Mundo Literário Contemporâneo – A Literatura e Todas as Artes em Defesa da Paz e da Preservação do Planeta Terra”, que ocorrerá pelas redes sociais, no dia 24 de abril, como parte das comemorações do Dia Mundial da Terra.

Trata-se, pois, de um encontro multicultural, multilíngue, pacifista, ecológico, virtual, literário e artístico – uma nova pauta ao mundo!  

MANIFESTO PELA PAZ

Como não poderia ser diferente, um dos pontos culminantes desse encontro, será a publicação de um manifesto pela paz – um documento a expressar os sentimentos de todos no tocante a valorização e necessidade da construção da paz, bem como o respeito pela natureza e pela preservação da vida!
Dois poetas tunisianos estão incumbidos da tarefa de redigir este importante manifesto, são eles,), Chokri Omri e Ilhem.

O Mundo Literário Contemporâneo – A Literatura e Todas as Artes em Defesa da Paz e da Preservação do Planeta Terra”, tem o apoio do Jornal Diário de Caxias e da revista Orizont 
Literar Contemporan.

Artistas, escritores e poetas de várias partes do mundo participarão do evento. Entre os países participantes estão: Brasil, México, Romênia, Índia, Tunísia, Honduras, Cuba, Paraguai, Chile, Colômbia, Ilhas Canárias (Espanha) e outros.












Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...