Pular para o conteúdo principal

Que o quanto pior, melhor, não seja tesão pra ninguém!


Por Gilvaldo Quinzeiro



Neste texto vamos falar da nossa atual falta de tesão pelas coisas úteis e belas, uma vez que a futilidade e a maldade são    em certos aspectos um ‘gozar’!

Parece simples, mas o processo de conquista é um padrão dos mais complexos. Conquistar alguém, então, é quase como dançar tango, ou seja, é mais do que um jogo de pernas – é preciso, pois, ter tesão e confiança em si mesmo!

Aliás, por falar em tesão,  o mundo está ficando cada vez menos inspirador e mais castrador. Veja por exemplo, o episódio dos incêndios criminosos em São Luís ocorrido nesta semana em que antecede as eleições: barbaramente castrador – quem tem tesão com aquilo?

Estamos criando uma geração que, se por um lado é menos resistente a um resfriado – basta colocar a cara fora da janela em dia de chuvisco, e lá estarão os garotos doentes, contrastando com àquelas crianças criadas literalmente com os pés fincados na lama – tal como Eu e muitos outros. Por outro lado, há um aflorar sem fim do ‘instinto voltado para prática do mal!

A violência se tornou crua e banal como goma de mascar na boca de adolescentes tímidos!

Que diabo então está acontecendo?

Ora, o antropólogo, o sociólogo, o psicólogo, o filósofo, o psiquiatra e outros que tais, dariam a vida para responder tal pergunta e com a máxima urgência! Ou seja, o que está acontecendo com a sociedade como um todo, não é fácil de se entender. Em outras palavras, os velhos manuais, hoje não nos orientam em nada: todo o edifício veio à baixo!

Que isso não seja culpa do consumo de tantos refrigerantes e biscoitos recheados, porém, como negar os efeitos nocivos da não ingestão de alimentos naturais.

Coincidência ou não estamos todos inflados!  Pelo menos no tocante ao uso das palavras, temos ultimamente feito   uso recorrente das expressões: ‘beijaço’, ‘apitaço’, ‘panelaço’, ‘peitaço’ -  termos, portanto, que parece inflar o sentido das coisas. Diante disso então, fica fácil entendermos, por exemplo, porque a palavra ‘safadão’ é a mais significativa de todas, na atualidade!

Que as eleições sejam uma oportunidade bonita para se combater tanta coisa feia!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...