Um café. A elegância. A sensualidade


Por Gilvaldo Quinzeiro


Há coisas que têm que vir de dentro. Não adianta o agarramento a exterioridade. Uma mulher é seguramente mais bonita, quando está ‘fincada’ em si mesmo, incluindo em suas convicções sobre o belo. Infelizmente, muitas mulheres preferem a embalagem das barras de chocolate!

Vejo hoje a sensualidade muito profusa. Há mais ‘agressividade’ do que propriamente a sensualidade – sinal dos novos tempos e da crise de identidade!

Outro dia, eu vi um casal dançar como nos tempos áureos dos bailes. Ela uma linda senhora. Ele um elegante senhor. Meu Deus! Como dançavam divinamente bem! Tudo perfeito.

Hoje tudo é muito agressivo. É na base do ‘pancadão’, e foda-se quem quiser, incluindo os ouvidos!

Eu não sou argentino, mas sou apaixonado pelo tango! Aquilo sim é a combinação de elegância e sensualidade!

Na verdade, assim como o café só presta servido, quando quente, a sensualidade desprovida da elegância é dispensável aos olhos e aos demais sentidos.

Sensualidade e elegância é por descrição a arte pura!

Por falar em arte pura, a voz de Marisa Monte é agradabilíssima! Ela é sensual e elegante! Dizer mais sobre ela, seria uma profanação!

Por fim, eu fico a pensar na elegância das mulheres sírias que, mesmo diante dos horrores da guerra permanecem como arquétipo de resistência, de postura!

Que o belo vença a feiura de todas as guerras! Bom café a todos!







Comentários

Postagens mais visitadas