O amor e suas paradas...


Gilvaldo Quinzeiro



O amor é uma fronteira.  Tememos  sempre chegar lá. E quando a alcançamos, perdemos tempo demais fazendo arrodeios que,  os dias seguintes serão  apenas de  falta de fôlego.

Entretanto, o mais complicado  nesta travessia é ter que atender “as demandas do corpo”. Não  são exatamente estas que nos arremessam para além  dos pântanos e desertos?  Deveras que sim, ocorre, porém,  que muitos como cobras,  abandonam a própria pele  pelo caminho. Estes terão seu destino reservado:  assombrarão  com suas sombras os que ainda  insistem em sua longa caminhada... Que caminhada!

De amor, não entendemos nada, e nem poderia ser diferente, pois  lá na frente,  nas mais longas distâncias,  nada mais nos espera. . A não ser um “velho e  desconhecido” -, o lugar dentro de nós do qual nunca deveríamos ter partido!

Ufa!...




Comentários

Postagens mais visitadas