Pular para o conteúdo principal

A coisa, a mão, o cambito e a palavra: quem pariu quem, quando a dor era seus sinais?




Por Gilvaldo Quinzeiro

Neste breve ensaio, vamos ousar falar do parto da palavra. É claro que tal esforço não poderá ser feito, sem que não se evite a dor. Aliás, a dor é a melhor de todas as parteiras. Sem ela não se nasceria filho algum. Não quero com isto, contudo, reivindicar quaisquer paternidades que sejam. Mas ao menos, quando possível, intelectualmente me masturbar. Por fim, segue abaixo, o parto das palavras!

Na suposta relação   Palavra X Coisa, a mão posta sobre esta é o verbo, logo, eclipsa toda a palavra. Ocorre entretanto, que a mão em certo sentido, pode ocupar o lugar da coisa, e a coisa em si, já não estará mais ao alcance da palavra. A palavra, contudo, nos conforta, porém, ter o domínio sobre a palavra, não significa em hipótese alguma, ter se apoderado da coisa. Já a coisa, esta sim é o germe de quaisquer palavras. Por isso, não há como livrar as palavras do universo da magia – o lar onde a coisa reina!

Portanto, sendo a palavra, filha da coisa, há de nos ser compreensível quão ambígua é a sua relação. Dito com outras palavras, eis o complexo de édipo, sem o qual, seriamos todos mudos!
E mergulhando fundo na gênese da palavra, resumimos no seguinte: No princípio longínquo, tudo era um coisa só. O corpo se agarrava a coisa para da coisa se desvencilhar. Eis aqui o corpo sendo usado como “mão”. É aqui o parto da percepção do graveto. De modo que, de agora em diante, este graveto, o galho de árvore, a vara, enfim, será o substituto do corpo-mão – o cambito!

Portanto, “o cambito” foi o substituto da mão sobre a coisa, numa circunstância dada onde, a mão sobre a coisa poderia resultar na sua perca. E por fim, o parto da palavra. Ou seja, a palavra foi a substituta do cambito, quando nem este e muito menos a mão, puderam da coisa se aproximar, sob pena de, lá no fundo da coisa, se afogarem!

Ora, a palavra, não nos garante, como já foi aludido acima, o controle sobre a coisa, a menos que a coisa em questão, seja, os nossos fantasmas. É aqui, pois, onde, de fato, reside a sua importância, isto é, de frente pra coisa que já nos afoga, a mão que nos estende é a palavra!

Por fim, a palavra é nada mais e nada menos do que a língua da mão sapecada, quando enfim, nos demos conta de que o fogo queima!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...