A coisa, a mão, o cambito e a palavra: quem pariu quem, quando a dor era seus sinais?




Por Gilvaldo Quinzeiro

Neste breve ensaio, vamos ousar falar do parto da palavra. É claro que tal esforço não poderá ser feito, sem que não se evite a dor. Aliás, a dor é a melhor de todas as parteiras. Sem ela não se nasceria filho algum. Não quero com isto, contudo, reivindicar quaisquer paternidades que sejam. Mas ao menos, quando possível, intelectualmente me masturbar. Por fim, segue abaixo, o parto das palavras!

Na suposta relação   Palavra X Coisa, a mão posta sobre esta é o verbo, logo, eclipsa toda a palavra. Ocorre entretanto, que a mão em certo sentido, pode ocupar o lugar da coisa, e a coisa em si, já não estará mais ao alcance da palavra. A palavra, contudo, nos conforta, porém, ter o domínio sobre a palavra, não significa em hipótese alguma, ter se apoderado da coisa. Já a coisa, esta sim é o germe de quaisquer palavras. Por isso, não há como livrar as palavras do universo da magia – o lar onde a coisa reina!

Portanto, sendo a palavra, filha da coisa, há de nos ser compreensível quão ambígua é a sua relação. Dito com outras palavras, eis o complexo de édipo, sem o qual, seriamos todos mudos!
E mergulhando fundo na gênese da palavra, resumimos no seguinte: No princípio longínquo, tudo era um coisa só. O corpo se agarrava a coisa para da coisa se desvencilhar. Eis aqui o corpo sendo usado como “mão”. É aqui o parto da percepção do graveto. De modo que, de agora em diante, este graveto, o galho de árvore, a vara, enfim, será o substituto do corpo-mão – o cambito!

Portanto, “o cambito” foi o substituto da mão sobre a coisa, numa circunstância dada onde, a mão sobre a coisa poderia resultar na sua perca. E por fim, o parto da palavra. Ou seja, a palavra foi a substituta do cambito, quando nem este e muito menos a mão, puderam da coisa se aproximar, sob pena de, lá no fundo da coisa, se afogarem!

Ora, a palavra, não nos garante, como já foi aludido acima, o controle sobre a coisa, a menos que a coisa em questão, seja, os nossos fantasmas. É aqui, pois, onde, de fato, reside a sua importância, isto é, de frente pra coisa que já nos afoga, a mão que nos estende é a palavra!

Por fim, a palavra é nada mais e nada menos do que a língua da mão sapecada, quando enfim, nos demos conta de que o fogo queima!




Comentários

Postagens mais visitadas