Estamos grávidos de quê?



Por Gilvaldo Quinzeiro

O mundo se tornou uma “esfinge” sem sua cabeça. A história recente nunca esteve tão grávida. Mas o que nos falta mesmo são as parteiras. Todas se ocuparam com as suas própria dores, e o parto já anunciado – é adiado por outras trempes! No mais, tudo é só “arreganhamento”!

É no cotidiano que tudo se arreganha. Uns com suas feridas expostas; outros por fazerem da sua bunda, a própria boca! A suja boca que se limpa abocanhada pela realidade. A realidade que nunca cospe nada inteiro!

 Estamos grávidos de quê? A questão hoje, não são as dores e suas contrações, que nos fazem “bonecas de plásticos”, mas o medo de que o fruto da gravidez, já não precise mais de parto algum, dado o arreganhamento do próprio tempo!

Por fim, se a esfinge perdeu a sua cabeça, quem afinal assumiu o seu corpo? Os egípcios antigos que eram “grávidos de eternidade”, deviam saber bem porque “encravavam” as suas cabeças! Uma destas, na própria esfinge. E quanto as nossas? Que parto difícil!





Comentários

Postagens mais visitadas