No jogo do racismo a bola é a do “entrepernas”. Quem possui a menor é quem grita gol?




Por Gilvaldo Quinzeiro



Às vésperas de uma Copa do Mundo, o que parece está em jogo, não é a grande festa do futebol, mas os alicerces de uma sociedade que hoje nos parecem tão puídos. Seremos capazes de realizar a melhor Copa do Mundo ou o mundo fugirá da Copa do Mundo sediada no Brasil? Os estrangeiros que virão ao Brasil querem ver o quê afinal? Entre as massas e o cimento, surge uma “imagem torcida” pelos olhos do mundo! Mas à luz dos nossos olhos que imagem temos de nós mesmos?

Na quinta-feira passada, na partida entre Mogi Mirim e Santos, válida pelo campeonato paulista, o jogador Arouca sofreu racismo cometido pela torcida do Mogi. O caso ganhou muita repercussão. E mais do que isso, este episódio pode ser o início de um outro tipo de jogada – aquela que em que os que acreditam ser “os donos da bola”, também afogam-se nela!

Ainda bem?

Na sexta-feira, um outro caso de racismo também no futebol, desta feita, no Rio Grande do Sul, contra o juiz da partida entre Esportivo e Veranópolis, Marcio Chagas da Silva que, além de xingamento teve seu carro danificado por torcedores do Esportivo.

Que time é este torcida brasileira?

O mundo que é uma bola, neste tempo de crise econômica expõe a própria carne. O difícil é prever que carne é melhor do que a carne do outro. E no jogo que pode estar se iniciando, a bola da vez é que está “entre as pernas”. E entre estas quanto mais “esfolada” é a maior?

Esperamos que o “bom senso” chegue a tempo de termos esta resposta numa disputa real. E os jogadores em campo sejam craques como Maradona – mão na bola também pode ser validada como gol! Ou como Pelé – quando o bonito do jogo é a bola de pé em pé!

E ai meu peixe, a sua torcida é por qual bola?





Comentários

Postagens mais visitadas