Pular para o conteúdo principal

As verdes paixões



Por Gilvaldo Quinzeiro

 

O tempo de se apaixonar é sempre o presente. Nas estradas do passado ou do futuro, as paixões que por aqui se aventuram, andam sempre sozinhas, tal como um lobo solitário.   O agora é, portanto, a  melhor de todas as estações, não obstante,  o temor de seus trovões!.  

Contudo, as paixões precisam de um   tempo para amadurecer. Ou seja, suportar as adversidades das próximas estações.   Do contrário, não passarão de  “bananas verdes”.  A fome de comer “bananas verdes”, por sua vez, é sinal de que    já se  matou todas as esperanças!

Este texto é uma breve reflexão a respeito   das nossas  mais pontudas feridas, a saber, o perigo das fulminantes paixões e os crescentes crimes passionais.

Pois bem, cada vez mais as páginas policiais  dos jornais e os noticiários das TVs , estão ocupados com noticias de que um ex-namorado, um ex- marido  resolveu atentar contra a vida das suas antigas paixões. Aliás,  um simples “não”, tem motivado crimes bárbaros!

O que afinal está acontecendo?  Estamos desesperadamente amando?  Amar significa ter a posse da pessoa amada?  Ou nos falta a maturidade para lidar com as perdas?

A recente tragédia aérea  do  voo 4U9525, da Germanwings, que caiu nos Alpes francês matando  150 pessoas, tem levantado calorosas discussões em torno do seu copiloto , Andreas Lubitz . Entre as várias questões levantadas, está a que trata do rompimento de seu noivado.

É possível que o  fim do seu noivado, tenha sido a causa que levou Andreas Lubitz, a derrubar o avião?

De fato, lidar com as perdas, quaisquer que sejam, é sempre dolorido, e quando esta perda se trada de questões amorosas, a coisa se torna ainda mais sofrida.

Amores jurados para sempre, não têm suportado uma curta tarde nublada!

Eu tenho falado muito no “desraizamento” do sujeito nos tempos atuais, em particular dos jovens. Eu diria que está faltando à presença do “pai” – aquele que disciplina, educa e aponta para os espinhos.  Como consequência, temos criado uma geração que desconhece o solo onde pisa. Um solo escorregadio, diga-se de passagem.

No terreno do amor, então, tudo é pantanoso!

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...