Nada como a crua poesia!



Por Gilvaldo Quinzeiro

 

A poesia é carne crua: posta no varal é o alimento que atrai os  olhos famintos dos viajantes!

Quisera o mundo de homens famintos só de poesia!

Abocanhar a carne crua, abrupta e desesperadamente é sentir a bruta fome que nos faz ter apenas boca!  Não é, pois, esta fome que nos faz poeta!

A poesia é sim, filha das mais cruas entranhas!

Fazer poesia, entretanto, é um estado de atenção  permanente tal como aquele em que se frita peixe, isto é, um olho na frigideira, o outro, no gato.

O gato é o poeta na fome de pescar a poesia ainda crua!

Viva a poesia, de preferencia como o peixe, vivo!

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas