Pular para o conteúdo principal

A História e seus cemitérios




Por Gilvaldo Quinzeiro

 

A História nunca  enterra seus mortos. O seu cemitério é ocular. De sorte que, quando se deseja historicamente a morte de um sujeito, mais há  necessidade da exposição do seu corpo. Foi assim com Spartacus,  Jesus Cristo, Tiradentes e outros.

O cientista político, Francis Fukuyama  não sabia desta informação, por isso acertou um ‘tiro’ na própria testa, quando publicou a tese do   “Fim da História”.

Nos últimos dias, vejo com preocupação  o aprofundar das trincheiras ideológicas no solo fértil das redes sociais. Vez por outra, uma foto ou um texto traz de volta antigos cemitérios – quem são os seus visitantes? A quem interessa velar seus mortos?

Aos poucos, uma ‘guerra’ se inicia por aqui. Porém,  isso não significa dizer que  esta guerra  se limite  ao campo  virtual. De fato, o mundo está ficando cada vez estremecido. A questão, no entanto, é saber quem arriscará a colocar  ao menos a mão  pelo lado de fora da janela?

Há fantasma  para todo e qualquer gosto à espreita. A crise econômica mundial tem feito ao menos  um “milagre”: ressuscitar o fundamentalismo! Antônio Conselheiro, então,  adoraria ver com os próprios olhos a confirmação de uma das suas profecias, qual seja, “muitos chapéus e poucas cabeças”.

Na verdade, a mecânica da história é implacável. O duro  para as cabeças  – é  preservá-las  em seu lugar!

Mas, voltando a falar em “cemitério ocular”, Getúlio Vargas escolheu a morte para se perpetuar, sem a qual, dificilmente seria lembrado. Esta é, portanto, a visão de Vargas que mais me assusta!

Por fim, no que diz respeito  ao estado agonizante do atual   PT – como evitar que a sua morte não abra os olhos de outros “defuntos”?

 

 

 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...