Pular para o conteúdo principal

O poder é bom, mas... Têm outros quinhentos



Por Gilvaldo Quinzeiro




O poder é bom, mas se exaure com o tempo. O dinheiro é a alavanca para quase tudo, mas se desvaloriza conforme os novos interesses.  A fama abre as mais diferentes portas, mas, não aquelas mais  acolhedoras...  Enfim não há ostentação que não se ofusque aos primeiros raios do sol – estes sim merecem mais do que aplausos, pois, sem qualquer alarde impõe respeito!

O anunciado acima abre uma reflexão acerca da busca do poder a qualquer custo. Ao longo desse texto, vamos chamar atenção para o perigoso mundo da fama e da ostentação – a febre do momento!

Pois bem, nestes últimos tempos temos assistido uma avalanche de noticias sobre escândalos na nossa política, envolvendo os chamados ‘medalhões’. Cito como  exemplo,  José Dirceu e José Genuíno, dois ‘josés’  membros do até então mais ético dos partidos políticos – o PT – ambos inspiradores para toda a militância jovem.

O que terá acontecido com estes dois grandes expoentes da nossa política, ao se verem no poder? Como será que se sentiram ao  ver  limitado a sua área de influencia a  uma  cela de uma prisão? Que danos terão estes cometidos ao inconsciente coletivo?

Estas perguntas não serão fáceis de serem respondidas nem mesmo pelos dois envolvidos, ou seja, por José Dirceu e José Genuíno, e muito menos por outrem. Estas questões  poderão se estender ao longo das gerações... E quem quer que ouse respondê-las, terá que olhar para dentro de si mesmo!...

Mas, como diz no jargão policial, “a casa caiu” não foi  só para os medalhões da nossa política. Estamos assistindo o desespero, a pequenez, dos donos das maiores empresas do Brasil, frente às investigações da Policia Federal, no que diz respeito aos escândalos da Petrobras. Em outras palavras, hábeis administrados; homens astutos nos negócios -  acuados e sem saídas!

Hoje, como no passado,  a nossa elite põe em prática o velho marketing: “quanto mais cabra, cabrito”!
  
Ao  falar em  marketing,  não posso esquecer do antes bem sucedido empresário  Eike Batista. Como explicar que, de uma hora para outra, a imagem de um grande empreendedor se derrete e se transforma em cinzas? Culpa do mercado? Culpa de quem?

Pois é... Diz o velho ditado que quando  “o urubu quando está de azar, até o debaixo caga no de  cima”.  Lembra daquele Juiz tirando onda no carro importado de Eike Batista?

A ostentação, meus caros, tem um preço! Às vezes o preço a pagar pelas suas consequências, não é feito em moeda, mas com a própria cara!

Eu não queria terminar este texto, falando de futebol, mas as prisões dos “medalhões” da FIFA efetuadas hoje  pela polícia dos Estados Unidos, parece colocar os nossos dirigentes futebolísticos na mesma seleção dos nossos velhos políticos.

É esperar para ver o final dessa partida!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...