Pular para o conteúdo principal

Os tremores e os temores do Século XXI. De que época somos?


Por Gilvaldo Quinzeiro


Estamos bem dentro do ‘útero’ de alguma coisa. Esta é a quase certeza acerca do tão esperado século XXI. Ainda não ultrapassamos as suas duas primeiras décadas. Porém, tudo está sendo vivido às custas de muita sofrência. Há muitos rumores e tremores.  As boas previsões -, nada! Ainda bem que as previsões catastróficas também não se realizaram: estamos sendo mortos aos poucos, como se diz no popular “na unha”.

Nada se parece mais com nada, exceto com a escassez de homens honestos como no tempo de Diógenes Sínopes (413 -323 a.C), quando este andava à luz do dia com uma lamparina acesa a procura de homens.

Portanto, não trema, amigo. O século XXI. Está apenas apressadamente em seu começo!

A natureza, esta sim, mostra a sua força e o seu lugar! Quanto aos homens, estes nunca desejaram ter nascidos em outra época!

A pouco eu li uma matéria jornalística falando dos terremotos, que têm abalados a península Itálica. Tais tremores começaram a ‘sacudir’ o Vaticano, ao menos em opiniões. O padre Giovanni Cavalcoli, justificou os terremotos como “um castigo divino pela ofensa à família e à dignidade do matrimônio, sobretudo por culpa das uniões civis". O Vaticano, por sua vez, condenou com veemência tais declarações afirmando serem “ofensivas para os fiéis e escandalosas para os não fiéis". 

 O fato é que quando não temos mais o que dizer diante das coisas, que nos engole, apontamos o dedo! Isso tem se repetido ao longo das épocas. Aliás, uma das marcas do nosso tempo é o uso dos dedos. Usamos os dedos até em substituição a boca e a língua.

O espanto se tornou a linguagem universal. Aquilo que não nos causa espanto não merece nenhuma palavra!

Estamos silenciosos para as coisas mais importantes. A gritaria é a forma de festejar todas as banalidades.

Não se envia mais comunicados por panfletos. Tudo se diz como quer através de uma bomba!

O século XXI parece ter sido escolhido para o ‘pagamento de ‘carmas’ dos velhos espíritos. Tudo se parece com o retorno de tudo!

Meu Deus!

Na terça-feira, dia 8, uma eleição, a dos Estados Unidos, faz com que nenhuma outra tenha importância alguma!  A escolha entre Hillary Clinton e Donald Trump à Casa Branca, torna o mundo pequeno demais! Tudo se torna um só ‘quintal’. Todavia, este mesmo mundo que parece tão pequeno, toma distância gigantesca quando o assunto é assinatura por um acordo de paz ou   sobre as questões ambientais. É aqui que o mundo não parece pertencer a ninguém!

Enquanto isso, milhares de pessoas estão vivendo sob a condição de refugiados de guerras ou do clima. Muitos estão fazendo de uma barraca improvisada, o seu mundo. Outros que não tendo nada do qual fazer o seu mundo, morrem nas águas do mar.

Este enfim, é um resumo do quadro atual do mundo nestas   primeiras décadas do século XXI. É possível, se nada for feito, que este seja o último dos séculos, inclusive para as novas gerações.

Por fim, do dito aqui, eu espero estar completamente equivocado!

Bom domingo!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Medicina cabocla

Gilvaldo Quinzeiro





Coceira nenhuma é igual a do “gugumim”, pra esta não tem água morna, quente ou fria: só o gargarejo de “malva do reino”!


Noite adentro, quando se escutava o pilãozinho sendo socado, era menino precisando passar por alguma esfregação, seja com azeite de mamona ensopado num algodão, seja com um dente de alho esquentado nas chamas de uma lamparina!


Nos casos mais graves de dor de barriga, se recorria ao sarro de cachimbo passado em cruz. E ai do menino metido à besta que se recusasse tal procedimento da medicina cabocla  – o cinturão estava já bem às vistas!...

O máximo que se poderia dizer era: mamãe!...