Pular para o conteúdo principal

Os tremores e os temores do Século XXI. De que época somos?


Por Gilvaldo Quinzeiro


Estamos bem dentro do ‘útero’ de alguma coisa. Esta é a quase certeza acerca do tão esperado século XXI. Ainda não ultrapassamos as suas duas primeiras décadas. Porém, tudo está sendo vivido às custas de muita sofrência. Há muitos rumores e tremores.  As boas previsões -, nada! Ainda bem que as previsões catastróficas também não se realizaram: estamos sendo mortos aos poucos, como se diz no popular “na unha”.

Nada se parece mais com nada, exceto com a escassez de homens honestos como no tempo de Diógenes Sínopes (413 -323 a.C), quando este andava à luz do dia com uma lamparina acesa a procura de homens.

Portanto, não trema, amigo. O século XXI. Está apenas apressadamente em seu começo!

A natureza, esta sim, mostra a sua força e o seu lugar! Quanto aos homens, estes nunca desejaram ter nascidos em outra época!

A pouco eu li uma matéria jornalística falando dos terremotos, que têm abalados a península Itálica. Tais tremores começaram a ‘sacudir’ o Vaticano, ao menos em opiniões. O padre Giovanni Cavalcoli, justificou os terremotos como “um castigo divino pela ofensa à família e à dignidade do matrimônio, sobretudo por culpa das uniões civis". O Vaticano, por sua vez, condenou com veemência tais declarações afirmando serem “ofensivas para os fiéis e escandalosas para os não fiéis". 

 O fato é que quando não temos mais o que dizer diante das coisas, que nos engole, apontamos o dedo! Isso tem se repetido ao longo das épocas. Aliás, uma das marcas do nosso tempo é o uso dos dedos. Usamos os dedos até em substituição a boca e a língua.

O espanto se tornou a linguagem universal. Aquilo que não nos causa espanto não merece nenhuma palavra!

Estamos silenciosos para as coisas mais importantes. A gritaria é a forma de festejar todas as banalidades.

Não se envia mais comunicados por panfletos. Tudo se diz como quer através de uma bomba!

O século XXI parece ter sido escolhido para o ‘pagamento de ‘carmas’ dos velhos espíritos. Tudo se parece com o retorno de tudo!

Meu Deus!

Na terça-feira, dia 8, uma eleição, a dos Estados Unidos, faz com que nenhuma outra tenha importância alguma!  A escolha entre Hillary Clinton e Donald Trump à Casa Branca, torna o mundo pequeno demais! Tudo se torna um só ‘quintal’. Todavia, este mesmo mundo que parece tão pequeno, toma distância gigantesca quando o assunto é assinatura por um acordo de paz ou   sobre as questões ambientais. É aqui que o mundo não parece pertencer a ninguém!

Enquanto isso, milhares de pessoas estão vivendo sob a condição de refugiados de guerras ou do clima. Muitos estão fazendo de uma barraca improvisada, o seu mundo. Outros que não tendo nada do qual fazer o seu mundo, morrem nas águas do mar.

Este enfim, é um resumo do quadro atual do mundo nestas   primeiras décadas do século XXI. É possível, se nada for feito, que este seja o último dos séculos, inclusive para as novas gerações.

Por fim, do dito aqui, eu espero estar completamente equivocado!

Bom domingo!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...