Pular para o conteúdo principal

A mão. Uma reflexão sobre a mutilação do sujeito


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

 

Que realidade ainda está por vir, quando,  a que nos escapa,  nada  fizemos para contemplá-la?  Calma, nem tudo é tão volátil assim. Ainda nos resta a mão que não mudou ao longo desse tempo todo!

 

A mão do homem é a mesma ao longo de milhares e milhares de anos. A mesma mão com a qual se identificava em suas linhas, o passado e o futuro do homem. O que mudou neste tempo todo, no entanto,  é “a coisa” sobre a qual a mão se fecha, e com a qual o homem passa a se identificar.  Aliás, coisa há no mundo pela qual a mão se seca, enquanto o homem se transforma em pantanoso solo – nada nasce senão “a coisa” em que o homem se afunda.  Ora, dizer que a mão do homem permanece a mesma, ao contrário da “coisa” que a mão segura, é chamar atenção para o poder mutilador  da “coisa”, no mesmo instante em que a mão nos escapole. É nesta condição,  portanto, que a mão  toma uma  dimensão outra – aquela em  que  o dedo que estamos  agora a apontar  não é o mesmo em  cuja unha está encravada, mas o “da coisa” que nos parte por inteiro.

 

Este texto, portanto, falará das mais profundas mutilações sofridas pelo sujeito  na sociedade contemporânea. Aliás, nada mais contemporâneo do que a mutilação do sujeito – marca indelével das atuais condições existenciais. Para isso, apoiaremos a nossa fala sobre alguns fatos do dia a dia, bem como numa escuta psicanalítica; escuta esta onde sujeito é total silêncio. Faremos tal feito, sabendo dos riscos da automutilação. Afinal, sobreviver o aleijo, a despeito  do culto de  uma imagem perfeita, é manter-se de pé na condição de revolucionário.

 A propósito, por falar do poder mutilador da  “coisa”,  no que nos transformou o uso do “aparelho celular”, neste tempo em que todos acreditam estar ligados? Do que nos serve a mão, se são com os olhos  que se esgravatam as coisas?

Foi pensando em responder esta e outras questões que iniciei uma investigação junto às pessoas mais próximas a mim, entre estas, os meus próprios alunos. Tal investigação, entretanto, não se trata de algo tão criterioso, como a que se caracteriza uma investigação científica, mas do meu fazer diário no trato com as questões existenciais.

“O celular é minha mão”, respondeu-me de pronto  um aluno quando por mim questionado. Fiquei a principio mutilado com esta resposta. Ora, se a mão para o sujeito, já não é mais  da ordem daquilo com que se  “pesca a coisa”, mas, pela  “coisa” se é pescada, então, falar do sujeito é dizer, da sua condição de peixe fora do ambiente aquoso. Portanto, o dito aqui  não só nos empurra de goela à abaixo uma espinha, como põe  mais “escamas” na discussão.

O que é a mão, naquilo em que “a coisa” lhe abarca? O que é “a coisa” naquilo que o sujeito se oculta? O que é o sujeito com a “mão” que não mais o identifica? A resposta não é outra senão, o rasgo do sujeito. Tudo enfim é a exterioridade, e o nó – amarradio numa bolha de sabão!

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Medicina cabocla

Gilvaldo Quinzeiro





Coceira nenhuma é igual a do “gugumim”, pra esta não tem água morna, quente ou fria: só o gargarejo de “malva do reino”!


Noite adentro, quando se escutava o pilãozinho sendo socado, era menino precisando passar por alguma esfregação, seja com azeite de mamona ensopado num algodão, seja com um dente de alho esquentado nas chamas de uma lamparina!


Nos casos mais graves de dor de barriga, se recorria ao sarro de cachimbo passado em cruz. E ai do menino metido à besta que se recusasse tal procedimento da medicina cabocla  – o cinturão estava já bem às vistas!...

O máximo que se poderia dizer era: mamãe!...