Pular para o conteúdo principal

Sexo hoje: tá na cara!


Por Gilvaldo Quinzeiro



A sexualidade infantil é um dos temas mais controvertidos. Por ele, Freud quase perde todos os seus cabelos, porém, segurou as rédeas do seu ponto de vista até o fim. O interessante é como Freud chegou as suas conclusões a respeito desse assunto, isto é, da sexualidade infantil: estudando a sexualidade dos adultos.

Hoje, diante de tanta gente ‘adulta’ disposta a ficar nua de qualquer jeito no afã de exibir o que supostamente acredita ter como “mais bonito”, não diante dos dedos apontados para si, mas, dos olhos distantes do outro, que   veem tudo através de um aparelho de celular e outros que tais – me pego de “calças curtas” desejoso de também falar desta temática.

Para começar, eu falo em ‘deslocamento da genitália’ – para os olhos, e por conseguinte do ‘gozo’ – a escopofilia! Ou seja, Freud não só tinha razão ao defender tal tese, como, se vivo estivesse de olhos abertos estaria gozando por ver a confirmação de seus postulados bem na cara da mais cara civilização!

Que porra é esta?

 Pois é... Está na cara que a nossa sexualidade está ficando ‘rasa’ demais. Isso não significa dizer, entretanto, que estamos enfim, gozando mais. Pelo contrário, está havendo um atropelamento do gozo.

Em outras palavras, ‘gozo’ há em que jamais se pudesse gozar. O prazer hoje não está em ‘transar’, mas em ser visto transando. A intimidade ganhou literalmente a rua. O desempenho sexual de alguém, não se destina mais a agradar o parceiro ou a parceira – ali na cama -, e sim, à cidade inteira!

Veja só. A minha ‘vizinha’, que quase não fala comigo, me fez ver através de meia hora de vídeo compartilhado por quase meio milhão de pessoas espalhadas pelo mundo inteiro que, ‘aquilo’ dela não é tão diferente do das outras mulheres. Ainda bem! Já pensou se tudo fosse completamente diferente?

Por fim, em assim sendo, quando alguém lhe pedir algum afrodisíacao e outros que tais pergunte: com que cara?  




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...