Pular para o conteúdo principal

O importante é importar-se com o pouco que seja


Por Gilvaldo Quinzeiro






O texto abaixo, se bem que poderia ser musical, aliás, é meu desejo aliar a música as minhas atividades, incluindo palestras, porém, a inspiração para este texto chegou-me aos ouvidos através de uma palestra de Mário Sergio Cortella, cujo título, “se você não existisse, que falta faria”?.  Que palestra impactante e musicalmente reflexiva!

Se hoje eu estou aqui de pé, mantendo meus passos na estrada, e acreditando que tenho uma missão, qual seja, ser eu mesmo, a despeito das tempestades que teimam em me quebrar ao meio -, devo isso a uma atitude -  a da minha mãe, que viveu sua vida não para se tornar famosa, mas para ser simplesmente importante, quando as minhas condições existenciais dependiam mais dela do que de mim!
Isso não é pouco, meus caros:  é tudo! Pena do meu filho, se a mesma atitude, eu não estiver fazendo por ele!

Nos últimos dias, eu tenho me dedicado a ouvir crianças e adolescentes, e o que ouço deles tem me deixado estarrecido. Não é que falte a eles o ‘arroz e o feijão’. Pelo contrário, muitos estão até bem gordinhos, mas, a falta de um outro tipo de alimento estão a lhes matar de fome: atenção!

Sim, muitos jovens estão simplesmente ‘esburacados’ – não têm como se diz no dito popular, “nem lá dentro, e nem lá fora”! Faltam-lhes ‘o espelho e o corpo’, talvez por isso, a automutilação lhes sirvam de um ‘alivio’ – qualquer que seja!

Por trás do comportamento suicida está o ‘espelho espedaçado’ ou a falta de referências; a falta de sentido. Este é um problema que merece um estudo aprofundado, sistemático e potencializado por uma política pública.

Vivemos, pois, numa época em que todos nós buscamos a fama. Há programas de televisão líderes em audiência, que funcionam como vitrines – são os chamados reality shows.  Todos sonham em questão de segundos, saírem do anonimato. Todos almejam ganhar muito dinheiro com pouco esforço.

Vivemos numa época da ostentação. Até mesmo nas igrejas, todos nós somos chamados a dar testemunhos, a ostentar as bênçãos recebidas!

Por outro lado, não podemos esconder por mais que isso nos doa, o seguinte:  no afã dos pais ficaram ‘famosos’, esqueceram mesmo de se tornarem importantes para os filhos, não obstante, as belas fotos em família ostentadas pelas redes sociais ao mundo inteiro!

Como bem disse Mário Sergio Cortella: “o importante é aquilo que entra e fica no coração da gente”.

Falta-nos, pois, a ‘interioridade’. Tudo hoje se voltou para a exterioridade. Até mesmo o gozo sofreu deslocamento: o prazer não está no ato em si, mas, em ser visto, pasmem, por uma multidão, fazendo!

O que afinal é ser importante?

Tenham todos, um importante dia para se viver!


  




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...