O óbvio é como sardinha em lata: quem ver?


Por Gilvaldo Quinzeiro



Ontem, depois de muito tempo, encontrei-me com meu amigo professor, poeta e compositor, Carloman Rocha. Tomamos umas, conversamos outras. Enfim, um papo filosoficamente agradável. O texto abaixo é parte desta conversa, claro, com alguns acréscimos e adaptações. Ei-lo.

Falar com as sardinhas a respeito do óbvio, quando o mar se fechou para estas ao comporem o molho das lacradas latas cujas tampas as estampas vivas no rótulo – quão obscuro seria!

Do mesmo modo que para as sardinhas, o ‘diabo’ da nossa realidade apresenta-se as vezes mais feio do que o imaginado!

 No nosso atual quadro político, por exemplo, vivo, só as fotos das campanhas passadas!

Nestas condições, falar do que meu jacaré? A realidade é como aquele rio filosofado por Heráclito: nunca está ali!  De que realidade você está mesmo falando? , pois, aquela já se enxugou nas suas lacrimas, e o seco do seu discurso não contempla mais  as novas enxurradas!

Por isso, eu tenho me mantido calado, mas de olho fincado em especial para a nossa cena política - confronto de dinossauros a rasgarem-se por aquilo que não me arriscaria pôr a mão!

Em falando de dinossauros, nesta semana houve uma invasão na UnB por um grupo de 45 pessoas, que entre palavras racistas e homofóbicas, gritavam “ Bolsonaro Presidente”!
Meu Deus!

Por fim, os deuses, entre estes o diabo, estão todos vivos. Agora meu amigo, me responda: do que aqueles e este se alimenta?  É óbvio que não é de sardinha!



Comentários

Postagens mais visitadas