Pular para o conteúdo principal

O nó do comportamento: conte até 3!


Por Gilvaldo Quinzeiro

O texto abaixo é a espinha dorsal de uma palestra a ser proferida por mim a um grupo de alunos considerados rebeldes e indisciplinados, de uma determinada escola.  Veja o tipo de nó que eu quero dar na moçada!

1 - A nossa conversa vai ser curta. Curta    como o pescoço, porém, mais leve que a corda comprida, com a qual, tentamos com esforço desfazer em questões de segundos, não os nós da corda, mas, os nós da nossa já curta vida - amarrando a corda comprida em nosso pescoço!
2 - Bem, como vocês podem ter percebido, a nossa conversa será recheada de simbolismo e significado.
3 - A propósito do simbolismo e significado, vocês podem me dizer qual o símbolo químico da água? H2O. Quantas moléculas? 3.
4 - É aqui que começa o mistério: O hidrogênio é o elemento mais abundante do universo, enquanto o oxigênio é o elemento mais abundante da terra. Uma união tríade dando origem aquela substância sem a qual não haveria vida: a água.  A respeito da água, o grande filósofo grego Tales de Mileto disse: “a água é o início de tudo”.
5 -  A água é encontrada na natureza em quantos estados? 3 estados: líquido, sólido e gasoso.
6- Começamos então a falar do simbolismo do número 3.
7 - Quantas vezes Pedro negou Jesus? 3. Quantas vezes o galo cantou para que Pedro negasse Jesus? 3. Com quantos dias depois de morto Jesus ressuscitou? 3. Quantas são as pessoas que constituem a santíssima Trindade? 3. Quantos eram os reis magos que visitaram Jesus, quando este era recém-nascido? 3: Belchior, Baltazar e Gaspar.  Quantos eram os presentes levados por eles? 3: a mirra, o incenso e ouro.
8 – Quanto a sua dimensão, como do tempo está dividido? Em 3: passado, presente e futuro! Quantas são as leis de Newton? 3. Inércia; Princípio Fundamental da Dinâmica; Principio da Ação e Reação.
9 - As maiores pirâmides do Egito também são 3. O formato das pirâmides é o de um triangulo, que, por sua vez, também forma três ângulos e três lados. O juiz de futebol, depois de alertar o jogador com dois cartões amarelos, no terceiro o expulsa.
10 - Pergunto: quantas vezes vocês já foram punidos? Quantas vezes vocês precisarão ser punidos até que já não lhe sobre a ponta da corda, mas apenas o pescoço?

11 – Veja, o simbolismo do número 3 não para por aí. Quando nós nascemos, e nenhum de nós pediu para nascer, fazemos parte de um triângulo amoroso, isto é, o pai, a mãe e o filho.  Imagine agora o que pode acontecer em um triangulo amoroso!
12 – Sim, num triangulo amoroso pode acontecer:  disputa, chantagem, brigas, amor e ódio! Por que será que muitos de vocês estão aqui, e retornarão aqui, senão por puro ato de chantagem ou sabotagem ao pai ou mãe de vocês? Tudo por único motivo: carência afetiva!
13 – Esta relação de amor e ódio entre o filho e os pais é chamado pela Psicanálise de Complexo de Édipo.
14 – Na mitologia grega, édipo foi o personagem que matou o pai, e tornou-se marido da própria mãe.
15 – Vocês poderão estar se perguntando, e o que diabo isso tem a ver comigo? Respondo: tudo! Neste momento, eu estou começando a falar do quão é complexo o comportamento humano. O humano comportamento de cada um de vocês!
16 – Alguém pode me dizer, até aí tudo bem. Mas, eu matar o meu pai e a minha mãe!
17 – É aqui que entra a questão do simbólico. Muito dos nossos comportamentos suicidas não significa outra coisa, senão, em vez matar o pai ou mãe, tentamos matar a nós mesmos.
18 – Este matar a nós mesmos, pode ser também simbólico. Ou seja, pode ser representado por exemplo, pela nossa reprovação no final do ano; o nosso mau comportamento em sala de aula; a nossa rebeldia sem causa; o nosso não amor próprio – como também a tentativa de fato de nos matar.
19 – Nestes poucos dias em que comecei a desenvolver o meu trabalho nesta escola, eu pude constatar a existência de vários alunos, tanto de sexo masculino, quanto feminino, independente da série – que já tentaram se matar!
20 – O desejo de se matar tem nome: pulsão de morte! Muitas pessoas que ora por outra sofrem acidente, possuem a pulsão de morte.
21 – Não se assustem:  tudo isso tem uma explicação. Tudo isso pode ser tratado. É, pois, sobre este e outros temas que nós podemos conversar. Basta me procurar!
22– Mas voltando, ao simbolismo do número 3.   Nós também somos três: o ego, o id e o superego.
23 – O ego é a parte de nós, que nos dar conta de tudo ou ao menos é o que se espera deste. O id é nosso instinto e desejo – a parte de nós que não conhece regras.  O superego é a nossa censura. É nosso pai interior esbravejando dentro da gente.
24 – Por fim, qual dessas 3 pessoas que somos, é que está merecendo o castigo? Qual dessas 3 pessoas que somos está nos colocando a corda no pescoço? Qual das 3 pessoas que somos se recursa a aprender com os próprios erros? Qual das 3 pessoas que somos está nos sabotando?
25 – Pense: se o simbólico não é respeitado como aquilo que fragilmente nos sustenta, a bruta realidade é tão somente aquilo que nos esmaga!
26 – Acorda ou a corda?
27 – Muito obrigado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...