Pular para o conteúdo principal

Copa do Mundo. A bola de fogo do Brasil?



Por Gilvaldo Quinzeiro


Há exato um mês do inicio da Copa do Mundo, “o jeitinho brasileiro” de querer driblar tudo sem bola,   revela enfim ao mundo,  a nossa pior jogada. Depois de 7 anos de preparação para o mundial, o Brasil cumpre apenas 41% das metas previstas. E o pior pode ainda estar porvir!

A revista alemã Der Spiegel  numa reportagem de 10 páginas, sobre a Copa do Mundo no Brasil, destaca entre outras coisas o seguinte: "justamente no país do futebol, a Copa do Mundo pode virar um fiasco: protestos, greves e tiroteios em vez de festa". Na sua foto de capa, a revista traz a bola de futebol oficial em chamas, como se fosse um meteoro, atingindo a cidade do Rio de Janeiro. Coincidência ou não, esta semana, a Embaixada do Brasil na Alemanha foi atacada, e teve seus vidros quebrados por encapuzados. Um grupo que assumiu a autoria dos ataques justificou em comunicado que o  ato  se deu devido à realização da Copa no Brasil.  

Se os Maias estiverem certos, quanto ao seu calendário, eu acredito que sim, esta será a primeira Copa pós “fim do mundo”. E como acreditamos que “Deus é brasileiro”, então que nos aconteçam os milagres! Porém, não há como negar que já sofremos o “primeiro gol contra”!

A psicosfera do Brasil, para usar um termo espirita, de fato parece estar escura. Talvez por isso, os incêndios cada vez mais recorrentes nos protestos de rua, tenham sido um padrão. Só nos quatro primeiros meses do ano, ao menos 227 ônibus foram incendiados no Brasil. E se assim continuar, o Brasil poderá se transformar numa grande bola de fogo? Ufa!

Olhando bem, em nossa volta, para a grande maioria dos brasileiros, tomo como exemplo, os caxienses, a Copa do Mundo no Brasil, ocorrerá na África. Com uma diferença, na da África, nós há muito tempo já estávamos no “clima da Copa”! Mas agora com a  Copa do Mundo no terreiro de casa, qual foi o clima que pintou?

E ai peixe, tá quente né?





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...