Pular para o conteúdo principal

Pontos sem nó. Tudo enfim é frouxidão e merda!



Por Gilvaldo Quinzeiro


Não mais controlamos os esfíncteres. Tudo de repente se rasgou em nós.  Uma simples “buzinada” no trânsito pode ser o motivo para a exposição de  todas  às vísceras. Tudo ficou assim, de repente, “nem lá dentro, nem lá fora”,  tal como diria um velho ditado popular.  O lugar da cama são os olhos do mundo. O mundo todo, um “vaso sanitário”!

Porém, é no meio  desta frouxidão que os laços afetivos  dão o nó em ponta de faca, isto é, nunca no  amor ficaram evidentes   as suas próprias correntes, como agora neste tempo onde  os  tecidos estão “puídos”!  Quantos crimes em nome do amor? Quanto amor por nada!

Tudo virou um “reality  show” . Das meninas que expelem seus hormônios em brigas que não valem apenas perder um fio de cabelo sequer, mas que ganham a dimensão cinematográfica; a casais que vão fazer queixas do mau hálito do outro numa emissora de televisão. Afinal o que os nossos olhos querem ver? Por quem estão grávidos os nossos ouvidos?

Foi-se o tempo de ensinar o controle sobre os esfíncteres. Hoje, dizer “não” ao um filho  é desabar o mundo inteiro sobre o mesmo. Talvez por isso, muitos pais com a finalidade de  se protegerem dos próprios filhos, os acorrentam. Cenas apocalípticas de uma frouxa educação? Quem poderá ser livre sem que a outrem desejem as suas algemas?

O real, o simbólico e o imaginário. Eis a trilogia lacaniana que eu chamaria aqui, das “três trempes civilizatórias”, hoje, mais do que nunca necessária à compreensão da  engenharia do sujeito. O que é o sujeito sem as suas alavancas? O que são as alavancas sem mão alguma para alavancar?
  
Freud, com seus olhos de Pai,  frustrador e  castrador, há muito tempo já  abriam os nossos no que diz respeito, a importância do “controle dos esfíncteres”. Dá até para  vislumbrar aqui um Freud, se agigantando num seu tempo como  Moisés a guiar o seu povo  pelos desertos. Passado então, o tempo de Moisés e de Freud,   hoje tudo enfim  é “merda”!  Eis em suma, o que  todos somos ou temos sidos. Aliás, diga-se de passagem, uma grande coisa!

 Ora, quem quer que ouse mexer nas coisas que empurramos para debaixo do tapete, pagará um alto preço. Por exemplo, mexer numa  Cracolanndia com seus “urubus em volta”; mexer num Congresso Nacional  viciado e corrupto;  mexer numa educação que a rigor, não cumpre seu papel; mexer numa saúde já podre em seus corredores – é fender suas feridas!

O quê?

- Nada. Foi só um mal-estar!... Freud tinha enfim sua razão!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...