Pular para o conteúdo principal

Em nome de quem, pai santo, pregamos o Outro em nosso lugar?



Por Gilvaldo Quinzeiro


O mundo acabou. Isso não é uma previsão. É real. Dane-se quem esperar por outro fim! O que temos que fazer é recomeçar... Mas recomeçar juntando os escombros ou “caçando as bruxas”? Em nome de quem, pai santo, estamos fazendo as nossas preces?

O escrito  acima  é uma breve introdução para uma reflexão sobre algumas cenas do nosso tempo (simples cenas ou sinais que nos cegam?).  A cena que nos servirá de ponto de partida é uma que me fez lembrar os tempos medievais, quando em nome da “justiça divina”, alguns homens se transformavam em “besta” em suas “caças às bruxas”. Claro que tudo isso acontecia dentro dos mais nobres propósitos, que era o de livrar o mundo daqueles que eram responsáveis pelos  “castigos de Deus”.

Pois bem, o caso de que trata este texto aconteceu em Guarujá, São Paulo, onde depois de um suposto retrato falado  de uma sequestradora de criança que também era acusada de ritual de magia negra, divulgada numa página do Facebook , a dona de casa, Fabiane Maria de Jesus, 33 anos, foi linchada por uma população enfurecida. A cena, gravada e divulgada amplamente pelas redes sociais, revela o quanto em nome de uma “justiça”, podemos ser cruéis. Pasmem!  Segundo as preliminares investigações policiais, a tal mulher de que trata o retrato falado, seria outra, e não a que veio falecer depois pela violência praticada pelos populares.

Meu Deus! Se a moda pega, em nome não sei  de quem, vamos ver muita gente sendo queimada viva  nas fogueiras! Isso se chama intolerância! Os homens diante de um mundo virado de ponta- cabeça já não contemplam o céu com a mesma cara, e o que veem lá em cima não lhe pode ser mais semelhante!

Eis o perigo que nos ronda! Para testar a minha fé pura – eu tenho que assar aqueles cuja fé, a despeito da minha, é crua!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...