Pular para o conteúdo principal

Meu velho humor sobre a nova velhice



Por Gilvaldo Quinzeiro

 

Inspirado em Eduardo Dusek, mais especificamente em referência e reverência ao seu humor sarcástico, vou tentar escrever este texto para falar de algo sério: a certeza de que a juventude é um simples passo escorregadio a caminho da nossa duvidosa velhice.

A velhice pode chegar nas frias madrugadas, enquanto acordamos sozinhos, após uma noitada de muitas batatas fritas, ou seja, de muito mastigado por nada!

Ontem, uma amiga me queixou das suas insônias, dizendo-me que “ao acordar nas madrugadas não mais consegue dormir, pensando na solidão da velhice”. “O que devo fazer”? – Perguntou-me.

Este texto, portanto, eu dedico a esta amiga e a todas as outras, que possam estar sem dormir, temendo amanhecerem mais velhas.

Amiga, convide seu medo para tomar café com você, aproveitando-se do seu amanhecer antecipado. Mostre a ele o seu humor, e não sua cara feia!

Sim, o humor, e não o amor, sobretudo, os perdidos, é quem deve nos alimentar por toda a vida.

Que paradoxo, amiga! Quando éramos jovens, tínhamos menos do que temos agora, e ainda assim, acreditávamos ser os donos do mundo.

Vou lhe confessar um segredo, amiga: é na velhice que podemos retornar a todas as fases das nossas vidas, incluindo aquelas cenas nas quais devido ao nosso medo, não fomos seus protagonistas. E com um detalhe, extraindo dela a mesma vitalidade que já era nossa, e não soubemos usá-la.

Em outras palavras, o não vivido, vive em nós para sempre, não como o não vivido, mas como o que vive em nós a espera de ser vivido.

O medo de envelhecer é aquele mesmo chato ‘companheiro’, que nos fez recuar, quando a vida se apresentava para nós de pernas abertas. Frite este medo na sua primeira oportunidade, e mastigue-o tal como fizera com aquelas batatas.

Para sorrir, amiga, não precisa necessariamente de um espelho. O sorriso é algo que se faz com a alma. Quanto mais leve a alma, mais vasto e duradouro é o nosso sorriso! Lembre-se de que para os jovens de hoje, o espelho é uma ditadura – muitos não estão conseguindo nem respirar, agora imagine viver!  

Melhor para nós que aprendemos com o tempo, a nos libertar! Viva a sua vida sem temor. O espelho é a gente que faz – os nossos medos e fantasmas também.

Bom café da manhã!

 

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...