Pular para o conteúdo principal

Uma reflexão pela Paz!


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

Se a humanidade quiser ainda permanecer de pé, neste planeta que lhe pede socorro todos os dias, precisa voltar seus olhos urgentemente para a cidade síria de Kobani; de modo especial, aos seus poucos sobreviventes, de uma população de cerca de 400 mil habitantes, grande parte destruída em sangrenta e louca guerra civil. Precisamos, pois, nos colocar na pele das suas mulheres e de suas crianças, que agora mesmo estão a vagar sob os escombros a procura do que antes lhes pareciam tão sólido -, se quisermos restaurar a dignidade humana!

 Kobani chora, mas não mais pelos seus mortos perdidos em infernais batalhas, e sim, pelo seu recomeço. Ali, em Kobani, uma cidade de 7m², na fronteira entre a Síria e a Turquia, estão as marcas vivas daquilo que a civilização é capaz de fazer a si mesma, pasme! -  em nome de ‘Deus’ ou do poder temporal!

Se a humanidade quiser pensar na Paz, não como retórica de livros de meditação, mas como algo vivido no dia a dia, precisa se colocar na pele dos milhões de pessoas, que passam fome na África e dos milhões de refugiados, que estão agora a marchar sem rumo e sem direção, e tendo por ‘promessas’, não as boas-novas da terra prometida, e sim, a notícia de que muros se erguerão contra si.

Pensemos no drama dos milhares de refugiados haitianos no Brasil atraídos pela inspiradora mensagem de que “somos um povo acolhedor”.  Porém, só eles, os refugiados haitianos sabem, o quão aqui se sentem estrangeiros e mal acolhidos!

Pensemos na luta renhida dos nossos índios para assegurarem suas terras.  Como podemos ser tão cegos, surdos e mudos para o drama dos primeiros habitantes do Brasil?

Por fim, não são os reis e príncipes que desejarão mudanças! Para estes, a humanidade vive o seu melhor esplendor. Todavia, para aqueles que estão em “carne viva” lutando para salvar a própria pele, estes sim sabem como ninguém que nunca a humanidade saiu das “cavernas”. É como se Platão com seu “mundo das ideias” nunca tivesse nascido!

A luta pela despoluição do rios e mares, terras e ares começa pela nossa cabeça. Despolua-a o quanto antes!

 

 

 

 

 

 

 

  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...