Pular para o conteúdo principal

A ‘rasgadura’ existencial: que obra é esta?


Por Gilvaldo Quinzeiro


O homem é o papel e a tinta. Às vezes é também a folha em branco.  Porém a sua condição mais intrigante é a de   a ‘rasgadura’ da obra!

O grande Leonardo da Vinci, depois de passar 4 anos na pintura de “Mona Lisa”, nunca a entregou a quem lhe encomendara por acha-la completamente imperfeita – que ‘rasgadura’ se deu aqui? Onde está o que se admirar nesta enigmática obra?

O grande Freud fez um gigantesco esforço interpretativo para desvendar não só o sorriso leonardiano para além do sorriso de “Mona Lisa”, mas a própria alma do gênio renascentista – para isso se utilizou entre outras coisas, do sonho infantil de Leonardo da Vinci com um abutre – mais outra ‘rasgadura’, desta feita, na coisa Outra, a freudiana!

Vivemos hoje, no Brasil e no mundo uma ‘rasgadura’ que não é só estética ou filosófica, mas existencial.

Dizer da ‘rasgadura existencial’, não é se lembrar de que poderemos morrer de fome! Claro que isso poderá nos acontecer. Especialmente se levarmos em conta os relatórios internacionais que, inclusive nos advertem para, diante da escassez de alimentos, termos que nos alimentar de insetos!

Hoje vivemos pouco, porque do pouco não mais vivemos, e do muito que somos em nada nos reconhecemos. Que rosto seria hoje o de “Mona Lisa”?

Mas, enfim, que rasgadura é esta?

Ora, o rasgo existencial dos nossos dias erguidos sob a égide do imagético não poderia ser outro, senão a real possibilidade da loucura! Sim, este é o medo que nos alimenta. Sim, este é o rasgo que nos contempla!

A loucura é a tinta derramada – a rasgadura na obra que pensávamos ser, e nunca fomos. Em outras palavras, o sorriso invertido de uma ‘mona lisa’ sem o dedo do seu grande pintor!

Ao ouvir atentamente os ‘sinceros’ discursos em defesa do Brasil, tanto de um lado que nos afunda, tanto do outro tão raso em suas mentiras, mais me convenço apenas de uma coisa:  somos todos abutres! Uma pena não estarmos sonhando!








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...