Pular para o conteúdo principal

Encontro virtual de escritores e artistas acontece neste domingo



No próximo domingo, dia 24, estará acontecendo pelas redes sociais, no endereço eletrônico, https://www.facebook.com/El-Mundo-Literario-Contempor%C3%A1neo-1694339237485260/, um encontro de caráter multicultural, multilíngue pacifista, apartidário, ecológico, virtual e literário em prol da paz mundial e da preservação do planeta Terra, como programação alusiva ao Dia da Terra (22 de abril). Este encontro foi denominado “O Mundo Literário Contemporâneo – A Literatura e Todas As Artes em Defesa da Paz e da Preservação do Planeta Terra”, e visa também aproximar os escritores, poetas, artistas e pessoas das diferentes línguas e culturas para produzir e compartilhar textos literários, imagens, ideias, livros, e-mails, blogs e revistas entre si.

O evento que foi concebido pelo professor Gilvaldo Quinzeiro, e que tem como organizadores, Alina Velasco-Ramos (México), Daniel Dragomirescu (Romênia), Antônio Arroyo Silva (Ilhas Canárias –Espanha) e Chokri Omri (Tunísia). Um dos pontos culminantes desse encontro, será a publicação de um manifesto pela paz, manifesto esse, escrito por Chokri Omri, da Tunísia.

A revista Orizont Literar Contemporan destinará algumas das suas páginas para publicação de poemas dos participantes.

São apoiadores desta iniciativa: o Jornal Diário de Caxias e a revista Orizont Literar Contemporan.

Entre os que já confirmaram a sua participação estão:
BRASIL: Jorge Bastiani (poeta), Renato Meneses (poeta), Valeria Kataki (pintora e terapeuta), Denise Ribeiro (professora e escritora) Lucinete Bahia Costa (professora e escritora), Carvalho Junior (poeta), Heloisa Sousa (escritora), Vôgaluz Miranda (poeta), Dante Gatto (escritor), Edmundo Gaudêncio (sociólogo, psiquiatra  e escritor), Carloman (cantor), Marechal (cantor), Tim Rodrigues (músico instrumentista), Ivan Lima (poeta), Wilton Lobo (engenheiro agrônomo), Gilvaldo Quinzeiro (escritor), Aline Borba (poeta), Auxylyadora Magalhães (psicóloga), Antonio Luís (músico instrumentista), Carlos Pawla (músico instrumentista), Chagas Jr. (poeta),  Andréia Franco (jornalista e poeta), Emanuel Sousa (jornalista e poeta), Alan Bacelar (filósofo e teólogo), Nelson Gaspar (escritor e filósofo), Dircilene Beleza (pintora e psicanalista), Welington Sousa (poeta), Elany Morais (poeta), Paulo Mielmiczuk (poeta), Desiderio José Santana Neto (jornalista e escritor), Chico Beleza (cantor), Carlos Almeida (poeta), Lana Mattos (jornalista e escritora), David Sousa (poeta), Francisco da Cunha e Silva Filho (escritor), Ana Elizandra Gomes Ribeiro(poeta), Josivaldo Correia Silva (poeta), Isaac Sousa (poeta e músico), Maria de Fátima Salgado (pesquisadora), Ângela Maria Gomes Pereira (poeta), Ana Lucia e Silva Pinto Gonçalves (poeta), Emanuel Sousa (jornalista), Karlos André (ator), Clidenor Rodrigues Guimarães Filho (administrador de empresa), Jacques Inandy Medeiros(escritor), Luís de Carlos Pereira da Silva (ator), Alberto Pessoa (escritor e jornalista), Raimunda Chaves ( mestre em literatura).
ANGOLA: Luciano Canhanga (escritor), BULGÁRIA: Violeta Bóncheva (escritora e tradutora); ESTADOS UNIDOS: Ernesto Rodriguez dell Valle (poeta), CUBA: Mariana Eriqueta Pérez Pérez (poeta); COLÔMBIA: Laura Saldarriaga Correa (escritora), Lena Barloz (poeta) Carolina Bustos Beltrán(poeta); HONDURAS: Elisa Logan (atriz e escritora); PARAGAUI: Hugo Fernando Pereira (poeta); ILHAS CANÁRIAS-ESPANHA: Puri Gutiérrez (poeta) Isa Guerras (poeta) Aquiles García Brito (poeta), Antonio Gonzáles Croissi, Antônio Arroyo Silva (poeta); INDIA: Bhuvanan. V (cartunista); ROMÊNIA: Daniel Dragomirescu (editor e escritor); NORUEGA: Bjorg Tori Narvesen (fotógrafa); TUNÍSA: Ilhem Issaou (poeta e tradutora), Chokri Omri (poeta e tradutor); MÉXICO: Rogelio Zúñiga (músico), Scherezada Reyes ( estudante),  Sofia Elizabeth Haro Vera (escritora), Luiz “Berkant” Campos Bustos (músico), Nora Iliana Esparza Mandujano (poeta e pintora), Maria Elena Padilla (poeta), Mayra Dee (poeta), Salvador Díaz Pineda (poeta), José Manuel Vacah (poeta), Gilberto Velazco (montanhista), Alina Velazco-Ramos( poeta), América Xóchitl Ramírez (poeta), José Antonio Lugo García (escritor), Irma Rodríguez (poeta e fotógrafa), Silvia Santos (atriz, cantora e escritora), Alma Chely  Hernández Olguín (poeta) Yadira Rios (poeta e pintora), Ana Jessica Piedra Morais (poeta), Juan José Murguía Virgen (fotógrafo e poeta), Karla Carrión (pintora), Alexander Piñon (fotógrafo), Alma Chely Hernández Olguín(poeta), Noemi Elina Hernández Aldana (estudante), Oscar González Hope (músico), Mariana López Hernández(jornalista).

O evento também contará com a participação de instituições educacionais, como a Escola “Antenor Viana”, Escola “São Francisco”, ambas da rede pública do município de Caxias e a Escola Secundária Oficial 0874, “Francisco I. Madero”, do México.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...