Pular para o conteúdo principal

O imagético e o momentâneo, as duas faces fincadas do nosso tempo.


Por Gilvaldo Quinzeiro


Como um paraquedista espraiado nas praias da Normandia no ‘Dia D’, onde o prazer da repentina descida é contrastado pelas saraivadas das metralhadoras dos soldados alemães, a realidade nos atrai e nos engole! E, como se não bastasse o nosso ‘mal dia de sorte, perdemos a mais poderosas das armas em quaisquer que sejam as batalhas, o discernimento!

Em outras palavras, estamos marchando com passos apressados sob solo minado ao mesmo tempo em que temos que baixar a cabeça sobre intensa artilharia de fogo cruzado. “E agora José”?

Em que pese a fé dos egípcios antigos em seus deuses que, aos olhos de hoje são quase de ‘pano’, ainda assim, seus rastros são mais duradouros, de sorte que seus sinais contrastam com o nosso gigantesco esforço em construir coisas não duradouras. Aliás, é bom que se diga que vivemos fincados em estruturas tão passageiras que se assemelham a meras bolhas de sabão.

Imagine aquela operação na Normandia, o Dia D, ocorrido em 6 de junho de 1944, na França, feita nos dias de hoje! Eu não falo das armas, eu me refiro a capacidade de resistência dos soldados atuais, sobretudo no que diz respeito ao ‘imagético’.

Vivemos ‘fincados’ nas areias movediças do mundo virtual. É aqui onde somos todos ‘corsários’, e a imagem de uma garrafa boiando sobre as águas com uma mensagem de um soldado, improvável de ver.

Por falar em ‘imagético’, estamos às vésperas do aniversário dos atentados de 11 de setembro sofridos pelos Estados Unidos, em 2001. Que ‘parto’ de imagens foi aquilo? O que mudou de lá para cá? Em que o mundo se transformou?

Uma coisa é certa, nos tornamos mais ‘tatuados’. Na intenção de celebrar o que pode ser tão passageiro, casais de namorados tatuam a face uma do outro em si. Mães no afã declararem seu amor ao filho, ‘fincam’ na pele o que com gestos ou palavras seriam praticamente impossíveis. Atletas e bandidos fazem dos seus corpos verdadeiras ‘cavernas’ pichadas de seus possíveis soluços...

Enfim. As mãos, os olhos e a boca passaram a ser a mesma coisa – tudo deslocado da cabeça.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...