Pular para o conteúdo principal

E o homem o que será?



Por Gilvaldo Quinzeiro




O lago Poopó virou um deserto (Foto: Reuters/David Mercado)

A humanidade viveu duramente sem o fogo grande parte do tempo da sua existência; a outra grande aprovação, foi viver sem energia elétrica. De lá para cá, o tempo foi passando, novas invenções foram se incorporando ao dia a dia. Hoje, estamos ‘conectados’ ao mundo por aparelhos que cabem na palma da mão – estamos todos muitos felizes por isso!

Todavia, a maior de toda aprovação, será enfim, enfrentada pelo homem atual, isso não significa de dizer, entretanto, que estejamos mais preparados do que os homens das cavernas, pelo contrário, homens há entre nós que não passam de ‘panos’. A tal aprovação de que estamos falando é a escassez de água!

Se tudo no mundo atual, tem que obedecer a rapidez das novas máquinas e estilo de vida, também com a velocidade máxima, estamos perdendo os recursos hídricos.

Nesta semana, os jornais do mundo inteiro nos chamaram atenção com a notícia do desaparecimento do segundo maior lago da Bolívia, o lago salgado de Poopó, com 2.327 km2.  Milhares de espécies de animas morreram ou tiveram que imigrar para outras regiões. E olhe que não estamos falando de uma velha noticia dos jornais, que é a do desaparecimento do Mar Aral, na Ásia Central.

Para quem deseja ir à Marte, a Terra cada vez mais fica parecida com o solo marciano!

Isso se soma a notícia da desertificação de várias regiões no Nordeste brasileiro e as queimadas, que vêm devorando florestas inteiras. A humanidade está diante da sua maior aprovação.

A escassez d’´água não é mais um temor: é uma realidade. No que vamos nos transformar em razão desta escassez, isso sim, só o futuro nos dirá!

“A natureza parece não estar mais reagindo diante da agressão sofrida”, foi o que me confidenciou um lavrador, da região dos cocais, em recente incursão minha pela zona rural. “Aqui até as abelhas tiveram que mudar de morada”, pois, a seca lhes impede de fabricar o mel”, concluiu o sertanejo.

Na verdade, em toda a região do Nordeste, a estiagem teima em se prolongar. Aqui por exemplo, no Leste Maranhense, até a data de hoje 27 de dezembro, nada de chuva!

Que 2016 nos venha com as primeiras gotas de chuvas!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...