Pular para o conteúdo principal

Os ‘sapos’ e os ‘narcisos’. Como explicar as nossas queixas?


Por Gilvaldo Quinzeiro


Este texto é um esforço para falar de alguns dos nossos maiores problemas e os sintomas deles decorrentes. Entre estes problemas, aquele que não é de hoje, e que remonta ao mais antigo passado; narrados em contos e lendas: o que trata do narcisismo.  Em outras palavras, da nossa busca pela beleza e juventude eterna - dois ‘pães’ para os quais a nossa fome não se sacia!

Sigmund Freud se viu ‘acuado’ diante da complexidade dessa questão. Seus escritos sobre esta temática, a despeito de todo o seu esforço e dedicação, são espelhos trincados. Contudo, é um adentrar a uma das portas do labirinto humano.

No nosso esforço, entretanto, vamos flutuar sobre o bote das metáforas. O que concluiremos de antemão, não passar de ilações.

O espelho não é por escolha, morada de sapo, o mesmo não se pode afirmar em relação aos ‘narcisos’. O que ambos possuem em comum?  O punhal do tempo!

Para o punhal do tempo, as faces são passageiras. Só os sapos não podem se queixar das suas não serem duradouras. Eis o ponto X no qual os ‘narcisos’, no final da sua luta contra o ‘espelho’,  comungarem  o desejo inconsciente de ser sapo! Talvez por isso vivem afogados em si mesmos.

Em nosso tempo onde a ostentação é para as pessoas, assim como o osso é para o cão, a figura do ‘sapo’ nos atravessa goela a baixo: todos recorremos ao espelho, e conforme as condições vistas, ao ‘punhal’.

Muito do nosso adoecimento tem sua origem silenciosa no esforço de controlar o tempo, o que significa em certo sentido, uma guerra declarada também ao ‘espelho’. Que dor pode ser mais dilaceradora do que aquela em que somos obrigados a refutar a própria face?

Pelo nosso estado depressivo, pelo teor das nossas queixas, vamos constatar que nos rebaixamos a condição de ‘sapo’. Ou seja, na luta contra o espelho, venceu, enfim, o punhal do tempo.

Na verdade, os sintomas do nosso tempo são por demais complexos. Há que se desenvolver uma escuta apurada para se chegar aos seus nomes. Tal feito não se desenvolve de uma hora para outra. Todavia, não é mais para amanhã, o aprendizado sobre as nossas dores.

Nos engenhos onde ‘sapos e ‘narcisos’ se aproximam, também a serenidade e o sereno devem fazer parte das nossas ‘noites’.

Bom dia a todos!







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...