Pular para o conteúdo principal

A ‘moela’ do nosso tempo. Uma breve introdução à realidade com seus arames farpados.


Por Gilvaldo Quinzeiro





Há um velho ditado que diz, “fulano não tem coração, tem é moela”.  A moela é a parte superior do estômago das diversas aves cuja função é triturar os alimentos, logo, este dito é mais do que contemporâneo: substituímos o ‘mole coração’ por algo duro, e que rói um monte de coisas que já não conseguimos mais digerir!

A realidade com seus ‘muros de concretos ou arames farpados’ nos impõe ritmos, sonoridade e imagens de lascar, como se diria, em um bom linguajar nordestino!

De fato, é preciso muita atenção com o que ocorre em nossa volta. Se pensamos ainda que somos ‘pintos’ é porque nos falta pena, isto é, a realidade nos deixou em carne viva. Tudo enfim nos tritura!

Por falar em tritura, por aqui, às vésperas dos Jogos Olímpicos, todos prendem a respiração, mas não é para comemorar mais uma medalha, e sim, pelos números crescentes da violência que nos envergonha e nos assusta. Novas táticas estão sendo empregados: a do terror! No Rio de Janeiro, sede dos jogos, 9 carros foram incendiados na semana passada – apenas, pelo que nos parece, para provocar pânico nas pessoas.  A polícia tem sido chamada diariamente para atender várias ocorrências sob suspeita de bombas, tanto no Rio de Janeiro, quanto em São Paulo.

Isso sem falar nas ameaças concretas de ataques terroristas! Nestes últimos dias, a Policia Federal prendeu 11 pessoas suspeitas de preparar ataques, entre estas, um maranhense. Todos juraram fidelidade ao grupo Estado Islâmico! Haja coração!

Enquanto isso, na Europa, os atentados têm se tornado frequentes, em que pese o forte esquema de segurança e o alerta contra o terrorismo. Ontem em Munique, Alemanha, um atirador matou 9 pessoas e deixou alguns feridos. Na semana passada, também na Alemanha, um homem de posse de um machado, feriu três pessoas em um trem.  
Na França, no dia da comemoração do aniversário da “Queda da Bastilha”, 14 de julho, um ataque feito com caminhão matou ao menos 84 pessoas.

O que se pode concluir é que a ‘civilização’ está ameaçada. Os seus principais símbolos estão sendo destruídos. O lema “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”, por exemplo, nunca soou de uma forma tão indigesta como agora.

Pensadores como Paulo Freire, um dos mais importantes educadores brasileiros, estão sendo colocados na ‘fritura’. A tal escola sem partido é um ataque frontal a pedagogia do oprimido, e mais do que isso, é apertar contra a parede o bucho dos mais pobres!

Está em curso, portanto, uma ‘geração de parafusos’!

Por fim, haja moela para muita tritura!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...