Pular para o conteúdo principal

A carta do atirador, e a metáfora dos cinco poços

Gilvaldo Quinzeiro

Este artigo, conquanto, versando sobre o caso do massacre da escola de Realengo, no Rio de Janeiro, não tem a pretensão de explicá-lo ou trazer à luz o que até agora não foi falado, mas, apenas ampliar a discussão, somando a que indiscutivelmente, já se faz, seja por especialistas no assunto, seja por pessoas comuns.

As nossas considerações tomarão como base a carta deixada pelo atirador. È a partir dela que vamos intuir a nossa fala.

Pois bem, Wellington Meneses de Oliveira, o atirador, trata-se de um sujeito afogado nos inúmeros “poços” em que se constituiu sua vida. Poços estes em cujo fundo se debatia uma “criança” dependurada no seu próprio corpo. Corpo que, dado as condições de “afogamento” não conseguiu amadurecer.

Primeiro poço: o da sexualidade. Este é um poço sem fim, no qual, o Wellington Meneses de Oliveira se “ampara” na sua castidade, e dado a sua condição de “pureza” se afasta das pessoas, inclusive daquelas que poderiam lhe dar a mão. Em outras palavras, este é um poço que abre os demais. Portanto, uma queda sem fim!

Segundo poço: o da sua autoimagem. O virgem. Esta imagem lhe ascende à condição de uma pessoa especial que, no ritual de vencedor das tentações, tem “primazia” sobre todos os outros não castos. Esta é uma queda na qual o que se esmaga é o corpo do outro, o dos impuros!

Terceiro poço: o corpo adormecido. A morte: um breve sono! A criancinha banhada, secada, pelada e envolta no lençol branco. Um retorno ao “seio da mãe” que dorme ao lado. Aqui o atirador faz um esforço gigantesco para ressignificar sua existência: seu corpo em queda. Uma tentativa de “salvação”. Salvar o quê, se este tem a “morte” como berço?

Quarto poço: a escola. Um espaço no qual as diferenças, inclusive, as dos corpos ganham significados e nomes. Eis o precipício ao qual todas as crianças estão à beira. Basta só um descuido ou um empurrão, e lá estará um corpo no fundo do poço!

Portanto, trata-se de um lugar de retorno. Um retorno para “resgatar” para si, o que de si escapuliu. Ocorre, entretanto, que, o que as vezes nos “escapole” é a própria criança presente nas outras. E, assim sendo, que parte de si Wellington Meneses de Oliveira teria “encontrado” nas crianças que por este foram assassinadas? Qual o significado para si das mortes destas crianças? Seriam estas, a mesma “mão” que lhe faltou? Ou o corpo que por si mesmo não foi aceito?

Quinto poço: a carta. Esta não significaria a “corda” jogada não para seu socorro, mas, apenas, dando pistas para em quais poços seu corpo encontrar?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...