Os brejos de janeiro

Gilvaldo Quinzeiro



Nada como o cotidiano para nos “afogar”. Tudo por uma mera ilusão de que temos nas mãos a “ponta da corda”.

De novo as enchentes já velhas. De velho, “as cracolândias” já em novos lugares.

Da loucura, o muito por se aprender. Da sanidade, pouco a se negar que esta da loucura quase não difere?

Dias fundos. Noites rasas: homens e sapos na beira da lagoa, ambos de cócoras em tempo de águas barrentas!...

Comentários

Postagens mais visitadas