Tempo de se aprender a decifrar os cheiros

Gilvaldo Quinzeiro



“O mal-estar” não é o sentar-se à beira das trempes para evitar encolher-se com o frio das tempestades que caem lá fora, tal como os homens primevos faziam, mas, perder o jeito de como se aquecer quando não for mais possível manter todos os portões atravancados!...

Decerto já não é este o nosso mal-estar?

Neste tempo de pressa, a arapuca armada pode ser para o caçador. Ora, qual a presa mais fácil para a natureza, senão o próprio homem quando dela se afasta?

Que se ouçam as velhas sabedorias, num tempo no qual não se sabe por que o cheiro do outro é tão importante para quem está perdido!...

Comentários

Postagens mais visitadas