Pular para o conteúdo principal

As mudanças do tempo e as 'novas formigas'



Por Gilvaldo Quinzeiro



Para o caboclo,  a natureza é o espelho. Observar as suas alterações é uma questão de sobrevivência. Muito são os sinais indicadores destas alterações. Por exemplo, o deslocamento do formigueiro. Quando as formigas mudam do morro para áreas mais baixas, diz-se que haverá seca; quando é o contrário, ou seja, o formigueiro se desloca do baixo para o morro, então, são sinais de que em breve terá início a estação chuvosa.


Bem, nos últimos dias, estamos assistindo o deslocamento em massa, não de formigas, mas de populações inteiras. Homens, mulheres e crianças.  É o caso dos imigrantes, sírios, africanos, haitianos e tantos outros, que abandonam seus países e seus lares em direção a outras regiões. Como interpretar estes sinais? Que tipo de ‘formigueiro’ está se mudando?


O mundo está em crise econômica. Este é um fato! Os recursos naturais estão chegando ao fim. Ao humanidade, sobretudo, no que se diz respeito aos países desenvolvidos, não foi capaz de observar que já não há ‘folha’ para todas as formigas. E a solução para este problema poderá vir com uma ‘nova maquiagem’, porém, em sua essência é uma velha conhecida: a escravização de pessoas(?).

O ódio e a intolerância estão encontrando neste atual contexto, um solo fértil. As estações estão lhes sendo favoráveis. E para um bom observador, qualquer estalido da folha seca poderá ser um sinal de que os ventos de uma nova estação já estão soprando.

Por outro lado, assim como no passado, também hoje, a ‘máquina do progresso’ e dos interesses nada humanitários, não pode e nem deve parar. O desmantelamento da engrenagem político-social-econômico em áreas isoladas do mundo, como ora ocorre na Síria, Iraque e Líbia poderá ser utilizado para abastecer outras áreas do mundo, as ricas, notadamente – de mão-de-obra barata – as novas formigas!

Será este o grande objetivo da chamada ‘primavera árabe’ e de outros movimentos em curso pelo mundo? Será que já estamos presenciando ‘a solução’ para os problemas atuais se utilizando  da própria carne humana?

É claro que não devemos ter pressa nenhuma para responder estas questões. Há muitas trovoadas anunciando céus mais escuros. É bom e sensato continuarmos observando a movimentação do formigueiro!






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...